Economia

Presidente da EDP pede "foco" aos trabalhadores durante o processo da OPA

O presidente da EDP pede aos trabalhadores que apesar da OPA se mantenham concentrados nos objetivos da empresa.

António Mexia pediu esta segunda-feira aos trabalhadores da elétrica nacional que, apesar da Oferta Pública de Aquisição (OPA) voluntária lançada pela China Three Gorges, se mantenham "focados", e garantiu mantê-los a par "dos desenvolvimentos".

"Neste momento, reitero a importância de nos mantermos focados no nosso trabalho e na execução daquilo que são os objetivos com os quais nos comprometemos, guiados pela excelência que sempre nos caracterizou", indica António Mexia na missiva hoje enviada aos trabalhadores da EDP e da EDP Renováveis, à qual a Agência Lusa teve acesso.

No 'email', o presidente da EDP assegura que irá, "naturalmente, manter toda a equipa da EDP e da EDPR informada dos desenvolvimentos deste processo".

A China Three Gorges lançou na sexta-feira uma OPA voluntária sobre o capital da EDP, oferecendo uma contrapartida de 3,26 euros por cada ação, o que representa um prémio de 4,82% face ao valor de mercado e avalia a empresa em cerca de 11,9 mil milhões de euros.

António Mexia adianta, na carta aos trabalhadores, que "o Conselho de Administração Executivo da EDP e o Conselho de Administração da EDPR irão pronunciar-se sobre a oportunidade e condições destas ofertas nos respetivos relatórios que deverão ser elaborados no contexto destas OPA".

A China Three Gorges, que já detém 23,27% do capital social da EDP, pretende manter a empresa com sede em Portugal e cotada na bolsa de Lisboa.

Caso a OPA sobre a EDP tenha sucesso, a China Three Gorges avançará com uma oferta pública obrigatória sobre 100% do capital social da EDP Renováveis, a 7,33 euros por ação, um preço abaixo do valor da última cotação (7,85 euros).

O grupo chinês afirmou, no anúncio preliminar da operação, que só lançará a OPA sobre a EDP se o Governo português não se opuser à operação.

Entretanto, o primeiro-ministro, António Costa, já veio dizer que não tem "nenhuma reserva a opor" a que o grupo chinês realize a OPA sobre a EDP.

"O mercado decidirá. A China Three Gorges é há muitos anos acionista de referência da EDP e não temos nenhuma reserva a opor. As coisas têm corrido bem", disse António Costa, falando na sexta-feira aos jornalistas aquando da votação nas eleições diretas para o cargo de secretário-geral do PS, na Federação da Área Urbana de Lisboa (FAUL).