Economia

Portugal deve manter pressão para renegociar juros, defende Bagão

Este ex-ministro lembra que «ser bom devedor é não apenas cumprir o que está estabelecido, mas procurar estabelecer alguma possibilidade de diminuir encargos estritamente financeiros».

O economista Bagão Félix entende que Portugal deve tentar renegociar os juros dos empréstimos ou «deve manter alguma pressão para essa renegociação partindo do princípio que tem sido cumpridor das linhas fundamentais do acordo estabelecido».

Ouvido pela TSF, este ex-ministro das Finanças diz que «ser bom devedor é não apenas cumprir o que está estabelecido, mas procurar estabelecer alguma possibilidade de diminuir encargos estritamente financeiros».

Segundo Bagão Félix, a diminuição destes encargos «resulta em menor sacrifício para os portugueses e em maiores fatores de menor contração ou possibilidades amanhã de inversão da situação de recessão e contração da economia que temos».

Este ex-titular da pasta das Finanças defende ainda que Portugal «deve aproveitar a boleia do que foi autorizado e permitido para a situação mais dramática que é a grega».

Bagão Félix considera ainda que Portugal tem agora «algum crédito para negociar alguns aspetos» depois de ter grande parte do que foi acordado no memorando de entendimento com a troika.

«A questão dos juros não está esgotada. Acho que sempre que há margem para a continuar a discutir, porque os credores concederam-nos a possibilidade de resolver os nossos compromissos emprestando-nos dinheiro», indicou.

Contudo, ainda segundo Bagão Félix, estas «não são entidades que devam estar excessivamente preocupadas com os lucros desse empréstimo à custa do sacrifício e adiamento do crescimento que é a base para se resolver futuramente esses compromissos».