Banco

Proposta de compra da Orey Antunes é «muito equilibrada», diz Privado Holding

A Privado Holding considerou, esta sexta-feira, que a proposta da Orey Antunes para a aquisição do BPP é «muito equilibrada», defendendo «muito claramente» os interesses dos accionistas e clientes do banco.

«O negócio apresentado (...) é muito benéfico para todas as partes, já que, num eventual cenário de liquidação do BPP, os accionistas da PH perderiam todo o valor associado à sua participação (...), os clientes de retorno absoluto não teriam os seus investimentos garantidos e o aval do Estado dado recentemente a um conjunto de bancos que efectuaram um empréstimo ao BPP acabaria por ter que ser usado para ressarcir os bancos credores», lê-se no comunicado.
 
A Privado Holding destaca ainda que a proposta da Orey Antunes impede o «imprevisível impacto de Portugal ser o primeiro país da Europa a ter um banco em situação de falência».
 
A empresa anunciou ainda que o plano do novo banco será divulgado «em data próxima», adiantando que se centra na «resolução do problema dos clientes de retorno absoluto, num modelo de recapitalização que passa pelos actuais e novos accionistas e pela definição de um modelo de negócio de futuro, inovador, transparente, assente em sistemas informáticos e de gestão de clientes  "state of the art",  manutenção de altos rácios de solvabilidade e prudente gestão de riscos».
 
A Privado Holding, detentora de 100 por cento das acções do BPP, considera que o acordo promove uma «relação de proximidade (dos accionistas) com uma instituição financeira» e «não implica qualquer financiamento adicional por parte do Estado».
 
A proposta garante ainda «em prazo razoável, o pagamento da totalidade do capital investido aos clientes de retorno absoluto», considera a dona do BPP. 

A Sociedade Comercial Orey Antunes informou, esta sexta-feira, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários ter adquirido a totalidade do Banco Privado Português e de duas empresas holding do Grupo Privado Português pelo preço simbólico de um euro.
 
A proposta de aquisição do BPP pela Orey Antunes depende ainda da aprovação de várias partes, entre as quais o Banco de Portugal.