Maria Luís Albuquerque

PSD defende Maria Luís Albuquerque e rejeita "juízos morais"

O vice presidente do PSD, José Matos Correia, diz que a antiga ministra de Finanças está disponível para prestar esclarecimentos sobre a sua contratação pela Arrow mas sublinha que, "em democracia, não pode haver juízos morais", apenas interessa o "cumprimento da lei". O PSD diz que não se sente "prejudicado".

O PSD sublinha que "não há nenhuma incompatibilidade, nem impedimento" que pudesse obstar à aceitação do convite feito pela Arrow.

PUB

José Matos Correia diz que Maria Luís Albuquerque "está evidentemente disponível para poder prestar os esclarecimentos que forem adequados e considerados necessários junto da comissão de Ética", mas sublinha que, para o PSD, "esta contratação em nada belisca a lei portuguesa".

A atual deputada e antiga ministra pediu entretanto à Comissão de Ética que avalie se existe alguma incompatibilidade entre a sua contratação pela Arrow Global com os atuais e antigos cargos políticos.

Questionado sobre se o partido pode ser prejudicado pelo facto de Maria Luís Albuquerque acumular o cargo de deputada com o de administradora não executiva na Arrow, Matos Correia diz que para o PSD "isso não é uma questão" e que "nunca o PSD se sentirá prejudicado pelo exercício de um direito por parte da Sra. Deputada".

O vice-presidente do PSD acusa a oposição de "tentativa baixa de aproveitamento político" e numa crítica direta aos socialistas, diz que "é natural" que "o PS que ficou conhecido por dar indicações à Caixa Geral de Depósitos sobre créditos que deviam ou não ser concedidos, tenha peso na consciência".

No governo PSD/CDS "nunca houve intervenção para concessão de crédito ou perdão de dívidas", garante José Matos Correia.