Europa

UE suspende fundos de coesão à Hungria mas deixa porta entreaberta

Os ministros das Finanças da União Europeia decidiram suspender a entrega de 495 milhões de euros em fundos de coesão à Hungria, mas admitem levantar a sanção se, até junho, Budapeste tomar as medidas corretivas necessárias.

No final da reunião de hoje dos titulares das pastas das Finanças dos 27 (Ecofin), a presidência dinamarquesa da UE indicou que o Conselho decidiu suspender os fundos de coesão com efeitos a partir de 01 de janeiro de 2013, mas sublinhou que, paralelamente, foi também tomada a decisão de dar à Hungria uma oportunidade de corrigir a situação.

PUB

«Levantaremos essa sanção rapidamente se a Hungria tomar as ações corretivas necessárias até à nossa reunião de 27 de junho», apontou a ministra dinamarquesa das Finanças, Margreth Vestager, acrescentando que o seu homólogo húngaro mostrou um «compromisso muito forte» nesse sentido.

Em janeiro passado, e fazendo uso pela primeira vez dos novos poderes que possui no quadro do chamado "6 pack" - as novas regras de reforço da governação económica -, a Comissão Europeia fez uma avaliação negativa das medidas adotadas pela Hungria ao longo dos últimos anos para reduzir o seu défice e recomendou a aplicação de medidas suplementares dirigidas ao país que, por não ser membro da zona euro, não pode ser sujeito a multas, mas poderá ver congelados os fundos de coesão de que beneficia.