"Não me chocaria que a CGD fosse privatizada"

Na entrevista TSF/Dinheiro Vivo, a ex-ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque admite a privatização da Caixa Geral de Depósitos "num contexto diferente" do que se vive atualmente.

Já lá vão três anos desde que a troika saiu de Portugal. Prometeu que o país ficaria melhor. Três anos depois mudou o governo e sobram problemas, nomeadamente financeiros. Maria Luís Albuquerque, ex-secretária de Estado e antiga ministra das Finanças, lidou com um dos períodos mais difíceis da história do país. Foi o rosto da austeridade. Esteve sempre ao lado de Pedro Passos Coelho, à época primeiro-ministro, e, mesmo depois de ter saído do governo, aceitou ser deputada e vice-presidente do PSD. Agora é candidata à Assembleia Municipal de Almada.

Nesta semana o Financial Times escreve sobre Portugal, citando uma gestora de ativos: "O maior risco ficou para trás, a dinâmica macroeconómica está a melhorar, o governo está muito empenhado em reduzir o défice, o sistema bancário está a resolver os seus problemas." Estará o PSD a falar sozinho?

De todo, até porque a questão de a dinâmica económica estar a melhorar é, em boa parte, um aproveitamento de uma recuperação cíclica que é generalizada na Europa e no resto do mundo, depois da crise. Estamos numa fase de recuperação cíclica e claramente a colher os frutos das reformas feitas, nomeadamente a trajetória do emprego tem muito que ver com aquelas reformas que foram introduzidas durante a fase do período de ajustamento e que têm vindo, desde 2013, a dar frutos.

O problema é que a resolução dos problemas não pode depender só de uma conjuntura que é favorável - voltará a ser desfavorável algures no futuro -, é preciso continuar a fazer reformas para garantir que a dinâmica positiva se mantém - e isso é que nós não vemos. Não está a ser feito nada para garantir que esta trajetória terá continuidade no futuro. Ir apenas à boleia de uma recuperação cíclica é curto e isso explica porque é que a taxa de crescimento, sendo positiva, não é maior como precisava e poderia ser.

Vem o diabo, como dizia o PSD?

Se há coisa que nós sabemos é que a economia funciona por ciclos. Quando um país como o nosso tem problemas estruturais profundos, eles não se ultrapassam em três ou quatro anos, não é possível. É preciso criar no país uma resiliência que nos permita enfrentar futuros choques internos ou externos e alterações do ciclo económico sem termos outra vez de passar por programas de austeridade gravíssimos por estarmos à beira da bancarrota. E é preciso trabalhar quando as coisas estão a correr bem. É essa a grande lição que devia ter sido retirada.

Se olharmos para o que agora está a correr bem, em 2007 e 2008 também estava a correr bem, nós sabemos como é que o processo acaba. Atendendo a que os protagonistas são, em grande parte, os mesmos, é uma preocupação que faz sentido.

Uma vez que certas coisas correm bem, chegou a dizer que Portugal já devia ter saído do lixo. Se com um dos défices mais baixos da democracia não saímos, o que está a falhar?

O défice foi, de facto, o mais baixo em democracia. Isso, em si mesmo, é bom, mas basta ver aquilo que dizem observadores independentes, que não foi feito com medidas sustentáveis para o futuro, ou seja, o corte do investimento é uma opção política que pode ser política mas que teria consequências graves: a contração, as cativações e a gestão orçamental, que eram os cortes cegos no tempo do nosso governo, ainda mais profundos agora, também são uma opção política que pode ser continuada mas que tem e terá consequências ainda mais graves para a frente, mas acima de tudo há uma componente significativa de receitas extraordinárias que permitiram alcançar o resultado.

Não me lembro de um ano orçamental em que não tenha havido receitas extraordinárias...

Há uma diferença muito grande, que é o facto de tudo aquilo que no tempo do governo de que eu fiz parte era feito, que passava por orçamentos retificativos e pelo Parlamento, que é uma coisa que a atual maioria critica muito, mas para mim é talvez a maior demonstração da pouca consideração democrática que têm pelo Parlamento.

Se o governo apresenta uma proposta de Orçamento que é aprovada pelo Parlamento e se decide, a meio do ano, que vai fazer uma coisa diferente daquilo que foi aprovado, a sua obrigação e o respeito democrático imporiam que voltasse ao Parlamento e dissesse que "por esta, por aquela ou por outra razão vimos aqui submeter à aprovação dos deputados um caminho que é diferente", que é aquilo que este governo se recusa a fazer e, aliás, afirma que não mudou nada quando é por demais evidente que o Orçamento que executou não era o mesmo que tinha sido aprovado para ser executado.

A questão das receitas extraordinárias tem sido utilizada no passado com alguma frequência (foi preciso muitas vezes deitar mão de medidas extraordinárias), mas é preciso ter consciência da dimensão da consolidação que se está a conseguir. Se se quer reclamar uma reconsolidação sustentável das finanças públicas, tem de se dizer como é que ela se mantém sem receitas extraordinárias.

Aquilo que vimos em 2016 foram medidas extraordinárias, o que está previsto em 2017 são também medidas extraordinárias. Ora, a despesa corrente que vai sendo aumentada não tem nada de extraordinário, é permanente e continua. Seria necessário que a forma de cobrir essa despesa fosse também ela permanente para a consolidação poder ser considerada sustentável. A preocupação do rating tem que ver com isso, mas também com o facto de a acompanhar um défice baixo voltámos a ter uma subida da dívida pública.

E se o défice é o registo do que aconteceu num ano, a dívida é a memória do que aconteceu em todos os outros anos e diz muito mais sobre o nosso comportamento a prazo do que um resultado do défice num ano. Naturalmente que há uma desconfiança dos mercados que tem impedido que o rating tenha subido. A subida do rating seria um contributo extraordinário, mas aparentemente estas políticas ainda não terão sido suficientes para conseguir esse desfecho.

Fala de análises insuspeitas. Acha que o Presidente da República não é insuspeito, quando nesta semana o ouvimos dizer que a trajetória que está a ser feita é sustentável...

Estava a falar de análises técnicas, no essencial. O Presidente da República não é uma entidade independente e técnica, portanto não o citaria neste contexto. Estava a falar do Conselho de Finanças Públicas, das agências de rating, da Comissão Europeia, do Fundo Monetário Internacional, que são entidades independentes do governo e da maioria e que analisam, com uma perspetiva daquilo que são os resultados orçamentais e não só.

Diz que os resultados vêm do governo anterior, mas em 2016 houve políticas contrárias àquelas que eram seguidas antes, como a reposição de rendimentos. O que o PSD sempre disse é que isso ia dar mau resultado. Perante o que temos hoje, ainda acha que repor rendimentos e cumprir metas orçamentais não é compatível?

É perfeitamente compatível. A nossa preocupação sempre foi repor os rendimentos com a riqueza criada e não antes da riqueza criada e pondo em risco a criação de riqueza. O programa do PSD, com que se apresentou às eleições e o programa de governo que apresentámos em coligação no Parlamento e que foi chumbado, previa também a reposição de rendimentos, só que mais faseada, que não implicasse aplicar cortes no futuro, outra vez. E que era fundamental alocar os recursos existentes, promover a criação de riqueza e, com a criação dessa riqueza e com a redução do efetivo em termos da administração pública, criaríamos o espaço para fazer essa reposição. Ela também fazia parte do nosso programa - estamos a falar dos funcionários públicos com salários acima dos 1500 euros. E a sensação que às vezes se tem é que foram cortados os salários de todas as pessoas...

Acha que vai ser preciso cortar salários outra vez?

Espero sinceramente que não seja. O receio que tenho é que uma política que procura ir mais depressa do que aquilo que a criação de riqueza no país permite implica um risco mais elevado. E era esse risco que entendíamos que não deveria ser corrido. Era preferível dar passos mais graduais para serem mais seguros e para não termos o efeito negativo. E na verdade, em 2016, tivemos uma desaceleração do crescimento, portanto as decisões do governo, nomeadamente de reversão de decisões anteriores, não foram inócuas. Não é por acaso que um país que estava numa trajetória de aceleração interrompeu essa aceleração durante 2016 - eventualmente irá retomar mas, em qualquer caso, perdeu-se um ano, e um ano quando o ambiente externo é favorável pode fazer toda a diferença.

2016 foi um ano perdido?

Acho que em termos de crescimento económico e de consolidação da imagem e da confiança de Portugal foi claramente um ano perdido.

E a dívida pública é pagável?

Às vezes perguntam-me sobre a questão da sustentabilidade da dívida. Quem define se a dívida é sustentável são os que nos emprestam dinheiro. Não há um número mágico. Em qualquer caso, precisamos de ter um comportamento em termos de finanças públicas que assegure que deixamos de aumentar consecutivamente a dívida pública, porque isso, quando já estamos em 130% do PIB, não é de todo sustentável.

Temos é de aproveitar os momentos mais positivos para gerar excedentes orçamentais que permitam reduzir a dívida, para termos espaço noutros momentos em que seja preciso ter maiores défices orçamentais para fazer face a uma situação de crise. Foi isso que fizeram os nossos parceiros europeus nos primeiros anos na primeira década do euro - é o caso da Espanha e da Irlanda, só para citar dois que tiveram programas recentemente. Enquanto esses países na primeira década do euro reduziram significativamente a dívida pública, registaram excedentes orçamentais, Portugal e a Itália nunca registaram excedentes orçamentais e aumentaram sempre a sua dívida pública. Não é coincidência que hoje tenhamos problemas semelhantes, embora sejamos países diferentes.

O receio que tenho com a política de agora - e que é fundado porque as pessoas que estão agora no governo são as que estavam antes, é de esperar que tenham comportamentos muito semelhantes e que não tenham mudado de visão - é que volte a desperdiçar-se um ciclo em que o processo devia ser o da consolidação a sério, que realmente criasse bases mais sustentáveis para o futuro. Preocupa-me o desperdício de oportunidade.

Das sugestões do grupo de trabalho que foi criado para analisar a dívida pública, não há nenhuma que aproveitasse?

O reembolso antecipado ao FMI, claramente, que faz todo o sentido. Nas outras, algumas não dependem de todo de nós, outras são incompatíveis com os tratados europeus e outras parecem-me francamente muito más ideias.

Há uma que pode depender de nós. Vítor Gaspar, era senhora secretária de Estado, renegociou os timings e os juros. Não é inteiramente impossível fazer isso, como o seu governo provou...

Quando digo que não depende de nós, não depende só de nós, porque uma negociação pressupõe que a outra parte está de acordo. O que foi obtido na altura, em 2013, com essa renegociação foi que nós não pagaríamos um prémio sobre o custo de financiamento do Mecanismo Europeu de Estabilidade. Ou seja, Portugal nesses empréstimos financia-se a um custo como se tivesse um rating triplo A.

Aquilo que se pretende agora é Portugal ser subsidiado, ou seja, não se financia a 60 anos com uma taxa de 1% e, portanto, se não for para nós pagarmos, teria de ser pago pelos contribuintes dos restantes Estados membros do euro. Não é dizer que não têm nenhum ganho ou prémio no que nos emprestam, é dizer que têm de facto de suportar o custo entre aquilo que a dívida custa a emitir e aquilo que pagaríamos por ela, e isso é uma situação completamente diferente, que a Grécia teve, porque era extrema, mas acompanhada por um programa de ajustamento difícil. Portanto, estas coisas têm reversos, condições, porque se estamos a pedir a alguém que suporte os nossos custos, temos de oferecer alguma coisa em troca. De acordo com as regras europeias, essa coisa em troca é um programa. Não sei se é isso que pretendem os autores do estudo.

A senhora deixou a Caixa Geral de Depósitos a caminho do resgate, como diz Mário Centeno?

Se a CGD estivesse na situação frágil, que pretendem fazer crer, nunca teria resistido à sucessão inenarrável de erros que este governo cometeu com a CGD, desde a trapalhada com as administrações, o arrastar dos processos, os alarmes criados sobre supostos buracos que existiriam no plano da CGD. Parece-me uma evidência difícil de contrariar.

Tenho muita dificuldade em perceber como é que o atual governo deixou, não exatamente com as mesmas caras mas muitas sim, o país na bancarrota em 2011 com um sistema financeiro como se imagina, tudo menos saudável, e queixa-se do quê? De não termos conseguido resolver os problemas todos que deixaram antes de voltarem para o poder? Não parece sequer uma conversa séria.

A CGD foi recapitalizada em 2012 pelo montante identificado e ainda com alguma almofada para fazer face a imprevistos. O que aconteceu com a CGD foi o que aconteceu com todos os outros bancos, ou seja, aquilo que era a previsão de evolução de taxas de juro não se concretizou, todos os outros bancos precisaram de mais capital, que foram buscar aos seus acionistas privados.

A CGD, não tendo acionistas privados, tinha de recorrer ao investimento público. A CGD nunca incumpriu com nenhum rácio e o governo, depois de estar em funções, demorou 15 ou 16 meses até recapitalizar a CGD. Não consigo conciliar isso com afirmações de que a CGD estivesse à beira de um desastre. Como digo, se estivesse, nunca teria resistido àquilo que o governo lhe fez.

Quando olha para trás e percebe que o Banif teve o fim que teve, que a CGD passou pelas dificuldades que passou e está a passar, consegue encontrar algum mea culpa na sua atuação?

O Banif é um caso muito, muito lamentável. Foi sempre um processo complicado desde o início e sabíamos, assim como as autoridades europeias e o Banco de Portugal sabiam, que era um processo complexo para resolver. No momento em que saímos do governo, deixámos um processo de venda já iniciado para conseguir uma venda em condições que não tinham sido ainda aprovadas pela Direção-Geral de Concorrência, que estavam em negociação, mas havia um precedente em Espanha que tinha seguido um modelo muito parecido. Isso significava que teria havido um prejuízo para o Estado de muito menos dimensão do que aquele que veio efetivamente a ocorrer.

O que aconteceu é que o governo não fez sequer um esforço para levar o processo do Banif a bom porto, porque tinha a quem assacar a responsabilidade política, que era ao governo anterior. Não fez sequer o esforço de levar o processo por diante porque isso significaria partilhar a responsabilidade das perdas que viessem a acontecer. Simplesmente resolveu que não queria politicamente ter responsabilidade naquele dossiê e pôs lá o dinheiro dos contribuintes para que isso não acontecesse. Acho lamentável. O desfecho deveria ter sido diferente.

Passos Coelho é acusado de não mudar de discurso. Admite que o discurso do partido possa estar deslocado do tempo?

Se por discurso do partido significa que deveríamos concordar que está tudo a correr muito bem, não está a correr como deveria. Tem uma obrigação e dever perante os portugueses de dizer qual é a forma como vê a situação, quais são os riscos. Por isso tenho alguma dificuldade em perceber... a ideia é "não queremos os chatos que nos alertam para os riscos, portanto vamos todos fingir que não há riscos nenhuns" e depois, quando as coisas correrem mal, como é? Vão-nos assacar a responsabilidade de não ter alertado. Não é um discurso para ser simpático, é verdadeiramente a construção de uma alternativa, ou a evidência de uma alternativa que existe quando houver novamente oportunidade de os portugueses escolherem.

Admite a possibilidade de Passos Coelho não ter tempo para ter razão?

Não me cabe dizer quanto tempo é que o Dr. Pedro Passos Coelho estará na liderança do PSD... Propomos um caminho alternativo que tem uma perspetiva de futuro mais positiva e risonha do que a que nos é oferecida agora.

Se hoje fosse ministra das Finanças, o que faria de diferente? Duas ou três medidas concretas.

Teríamos mantido a reforma do IRC, porque mais do que a taxa de imposto que tinha implícita, era um contexto de previsibilidade fiscal que era absolutamente fundamental para os investidores. Nunca tomaria decisões que interferissem naquilo que deve ser, no meu ponto de vista, a esfera privada de decisão. Quando o governo através do seu poder resolve tomar partido, resolver conflitos entre acionistas, a prazo o que isso vai significar, é que os investidores que olhem de fora sabem que se um dia tiverem um conflito privado em Portugal, estão sujeitos a ficar do lado contrário àquele de que o Estado toma partido. Os investidores internacionais são muito sensíveis a essa matéria. E teria tido uma atitude de colaboração e confiança com a Europa, em vez de ameaçar que ia lá pôr toda a gente com as pernas a tremer para depois recuar, porque o dano causado pelas primeiras declarações demora muito tempo a desfazer, e acho francamente e seguramente que não teria cometido esse erro.

Falando ainda de sistema financeiro, disse recentemente a propósito da CGD que ser público, em si mesmo, também não garante nada. A CGD não foi bem gerida ou deu menos prejuízo que os bancos privados. A CGD devia ter sido privatizada?

Uma coisa não implica a outra, ou seja, a gestão pública tem de ter outras preocupações que a gestão privada não tem. Uma empresa deve servir o interesse dos seus acionistas, quando a empresa é pública os seus acionistas são os contribuintes e portanto deve ter em atenção o interesse público em geral. O facto de ser pública, essa frase foi feita num contexto de separação até ideológica se se defende a propriedade pública ou privada. O ser público não garante a boa gestão assim como o ser privado também não. A boa gestão não depende necessariamente da propriedade, é verdade que o facto de a CGD ser pública não garantiu que fosse bem gerida, houve anos, enfim, continuamos na tentativa através do parlamento de que haja um esclarecimento cabal desses erros de gestão, porque é que aconteceram, quem esteve por trás desses erros, seria muito importante que se soubesse até para evitar a sua repetição no futuro, mas a CGD manifestamente teve períodos em que não foi bem gerida e que se traduziram em prejuízos enormes para os seus acionistas, que são os contribuintes.

E a privatização podia ser uma resposta ao problema da má gestão?

A gestão privada também não é necessariamente boa.

Não depende, portanto, da privatização?

Neste momento não acho sequer que faça sentido colocar-se essa questão.

Como diz neste momento não significa que lhe chocasse a ideia que a CGD fosse, um dia, privada?

Num contexto diferente e em termos pessoais, não me chocaria, mas há momentos em que pode ou não fazer sentido. Neste momento, não me parece que faça sentido quando o sistema financeiro precisa ainda de se consolidar e de voltar a definir um equilíbrio mais sustentável e duradouro, porque também está a recuperar da crise que o país atravessou, seria provavelmente uma alteração de contexto que não permitiria os melhores resultados. Não acho que deva ser uma questão que deva ser discutida ou colocada. O facto de passar para a gestão privada não nos iria garantir, por definição, melhores resultados. Não tenho uma visão dogmática sobre o público ou o privado, nem de um lado nem do outro.

Acha que a troika subvalorizou os problemas do sistema financeiro em Portugal? Cometeu erros quando olhou para o sistema financeiro em Portugal?

A troika terá cometido erros. Foi um trabalho muito intenso em que se procurou fazer muita coisa num período de tempo muito curto. É muito mais fácil avaliar a dimensão dos problemas quando eles se tornam conhecidos. Dizer agora quais são os problemas e o que é que devia ter sido feito, é mais ou menos como acertar no Euromilhões às 21h da noite de sexta-feira, antes das 19h é que é mais difícil. Há coisas que sabemos agora e a forma como avaliamos a atuação às vezes até inconscientemente, é feita à luzo do que sabemos agora, mas uma análise adequada tem de ser feita à luz do que se sabia na altura. Aquilo que era o programa para o sistema financeiro, determinou desde logo um grau de intrusão muito superior ao que existiu até então naquilo que era atividade dos bancos, que isso em si mesmo não significou que se tenham registado problemas depois. Mas seguramente que minimizou problemas. Na verdade, tivemos um programa muitíssimo ambicioso quer para o envelope financeiro que tínhamos, quer para o tempo que nos foi dado. E fez-se muito, quer com esse dinheiro, quer com esse tempo. Não foi suficiente para resolver os problemas todos. Mas isso é algo que a troika sempre disse e que o nosso governo sempre disse: este esforço tem de continuar, é preciso continuar a consolidar". Não é fazer austeridade, muito menos por maldade, como de forma muito pouco inteligente nos acusam, que é um argumento que não permite discussão nenhuma. Não é sequer inteligente para começo de conversa. Nós temos problemas estruturais profundos que estão amplamente diagnosticados e não podemos achar que qualquer tratamento por duro que seja resolve esses problemas em 3 ou 4 anos, é preciso continuar a resolvê-los. E aí é que tenho grande preocupação e vejo grande risco, que é a atitude que leva a crer que os problemas estão todos resolvidos e como agora as coisas até correm melhor, vamos aproveitar, portanto vamos ser cigarras mesmo que saibamos que há - de vir o inverno outra vez e se calhar termos sido um bocadinho formigas não era pior. Tivemos essa experiência, receio que não tenhamos aprendido o suficiente.

O caso das off - shores está em suspenso, em parte porque a sua audição no parlamento foi também adiada, mas há uma coisa que sabemos: as estatísticas em falta dizem respeito a um período que se cruza com aquele em que foi Ministra das Finanças. Paulo Núncio assumiu responsabilidade política pela não publicação, agora a pergunta é: isso chega, não chega? A responsabilidade política deve ficar ao nível de um secretário de estado?

Como começou por dizer, é verdade que ainda não fui ouvida no parlamento e eu já tinha tido ocasião de dizer, e mantenho essa posição, eu não falo dessa matéria antes de falar no parlamento. Só falarei publicamente depois dessa audição.

Já há data?

Está agendado, salvo o erro, para dia 16.

Alguma vez, enquanto foi Ministra, foi confrontada com a questão das off - shores?

Não vou falar nada sobre essa matéria. Respeito muito o parlamento e se me querem ouvir sobre esse assunto, querem ouvir-me diretamente e não por intermédio de notícias que saiam antes.

Pedro Passos Coelho é acusado de não conseguir mudar de discurso. Admite que o discurso do partido possa estar um bocadinho deslocado do tempo?

Se por discurso do partido significa que deveríamos concordar que está tudo a correr muito bem, o que tenho vindo a dizer acho que esclarece porque é que achamos que não está.

A a correr como deveria e quais são as nossas preocupações. O dever de um partido que é o maior português, normalmente é referido como maior partido da oposição, mas não é da oposição, é o maior partido, ponto. E está na oposição. Tem uma obrigação e dever perante os portugueses de dizer qual é a forma como vê a situação, quais são os riscos que vê e de que forma é que acha que as políticas deviam ser alteradas ou corrigidas. Por isso tenho alguma dificuldade em perceber... a ideia é não queremos os chatos que nos alertam para os riscos portanto vamos todos fingir que não há riscos nenhuns e depois, quando as coisas correrem mal, como é? Vão-nos assacar a responsabilidade de não ter alertado. Não é uma questão de discurso, é uma questão de convicção, de valores, da visão que temos do que é o país, do que é a economia e daquele que defendemos que deve ser o caminho que é a nossa alternativa proposta aos portugueses. Não é um discurso para ser simpático, é verdadeiramente a construção de uma alternativa, ou a evidência de uma alternativa que existe quando houver novamente oportunidade de os portugueses escolherem.

Admite a possibilidade de Passos Coelho não ter tempo para ter razão? Diz "Quando as coisas correrem mal". E Passos Coelho vai estar lá como líder do PSD quando as coisas correrem mal para poder dizer "eu tinha razão"?

Não me cabe dizer quanto tempo é que o Dr. Pedro Passos Coelho estará na liderança do PSD, o que posso dizer daquilo que o conheço e julgo que todos os portugueses o conhecem desse ponto de vista suficientemente bem, é que ele nunca deixará de exprimir as suas convicções e valores por preocupações dessa natureza, portanto poderão sempre confiar que dirá sempre honesta e francamente aquilo que acha, quais os riscos que vê e preocupações que tem e fará os alertas que deve fazer. Até era bom para o país que não tivesse razão e que as coisas não corressem mal. Seria um resultado positivo. Portugueses somos todos, estamos cá a viver, a criar os nossos filhos e naturalmente desejamos o melhor, mas não acreditamos que seja este o caminho que pode conduzir a esse resultado. É nosso dever perante os portugueses, os que votaram em nós e também os que não votaram em nós, fazer esse alerta. Preocupa-nos muito pouco se isso é visto como um discurso simpático ou antipática, pessimista ou menos pessimista. Propomos um caminho alternativo que tem uma perspetiva de futuro mais positiva e risonha do que a que nos é oferecida agora. Depende também de quem ouve querer ouvir até ao fim e perceber o que propomos de facto como alternativa.

Nesse caminho alternativo, se hoje fosse de novo Ministra das Finanças, o que faria de diferente? Duas ou três medidas concretas que nos permitam perceber que caminho alternativo...

Teríamos mantido a reforma do IRC. A reforma do IRC mais do que a taxa de imposto que tinha implícita, era um contexto de previsibilidade fiscal que era absolutamente fundamental para os investidores e os investidores externos, foi uma das notícias que receberam menos bem. Não é necessariamente o valor da taxa que se paga, mas é a confirmação que tiveram, mais uma vez, que a previsibilidade fiscal, em Portugal, não é uma valor. Nunca tomaria decisões que interferissem naquilo que deve ser, no meu ponto de vista, a esfera privada de decisão. Quando o governo através do seu poder resolve tomar partido, resolver conflitos entre acionistas, a prazo o que isso vai significar, é que os investidores que olhem de fora sabem que se um dia tiverem um conflito privado em Portugal, estão sujeito a ficar do lado contrário àquele de que o estado toma partido. Os investidores internacionais são muito sensíveis a essa matéria e olham para países onde isso pode acontecer com alguma desconfiança. Portugal precisa muitíssimo de investimento estrangeiro, precisa muito de capital externo porque temos pouco capital no país, temos pouca poupança. Todas as ações, decisões, que reduzam a confiança dos investidores prejudicam o país, incluindo aqueles que se tentou beneficiar com essas ações. Não teria tido esse tipo de comportamento. E teria tido uma atitude de colaboração e confiança com a Europa, em vez de ameaçar que ía lá pôr toda a gente com as pernas a tremer para depois recuar, porque o dano causado pelas primeiras declarações demora muito tempo a desfazer e esse acho que foi francamente um erro e seguramente não o teria cometido. Até porque Portugal teria beneficiado muitíssimo da continuação da tendência que se verificava no final de 2015. A Europa, fruto dos muito problemas que tem hoje, precisava muito de um país do sul bem sucedido, sem desconfianças num processo de ajustamento. Isso ajudaria a combater preconceitos. Teríamos todo o apoio da Europa para continuar esse caminho. Não significa que não possamos contar com o apoio dos nossos parceiros europeus agora, mas perdeu-se ali uma oportunidade que provavelmente é irrepetível. E isso é algo de que tenho muita pena. Podíamos ter conseguido muito melhor.

Está a trabalhar com o grupo em Inglaterra que detém a White Star. Não deixa de ser um grupo que o mercado muitas vezes intitula de abutre. Que tipo de contributo é que está a dar e se está a gostar da experiência? Vai ser candidata à assembleia municipal de Almada, mas não vai ser candidata a nenhuma CM... porque não gosta da ideia de ser presidente de Câmara?

Relativamente à primeira, o trabalho que faço na sede do grupo em Inglaterra é uma aprendizagem muito útil. A regulação em Inglaterra, as regras de governança das empresas são exemplos para o resto do mundo. São rigorosos, exigentes, transparentes, são escrutinados e escrutináveis e essa aprendizagem é muito útil até pelo contributo que possa dar na vida política de melhoria desse enquadramento para o país. Não tomo qualquer decisão sobre negócios particulares e não tenho qualquer contacto coma empresa em Portugal, que foi uma condição que coloquei porque não queria conflitos de interesse. Não tenho uma palavra sobre os negócios feitos em Portugal. A decisão de me candidatar à assembleia municipal: não tenho experiência autárquica, mas aquilo que fiquei a conhecer enquanto estive no governo mostrou-me que há, da parte das autarquias, muito trabalho e muito notável. O setor autárquico ajudou muito o país na consolidação orçamental. As pessoas têm ideia que as câmaras têm muitos problemas. Há algumas que têm muitos problemas, não são a maioria das câmaras.

Porque não se candidata a uma câmara?

Não passa pelos meus planos imediatos sr presidente de uma câmara. Foi-me feito este convite, ponderei...

Não lhe foi feito outro. Ninguém a convidou para nenhuma autarquia?

Decidi que concorreria à assembleia municipal e a partir desse momento nem se coloca outras questões. Se me iam convidar, não faço ideia. Foi o desafio que decidi aceitar. Estou muito dedicada ao distrito de Setúbal, concorri pelo distrito de Setúbal em 2011 e 2015, tenho muito gosto em representá-lo na Assembleia da República e estou muito entusiasmada com o trabalho que poderei fazer na Assembleia Municipal de Almada e será também um contacto diferente com a realidade autárquica que tenho a certeza de que será enriquecedor e farei o melhor possível, mas para já ainda vamos à campanha.

E está entusiasmada ou está a guardar-se para uma futura liderança do PSD?

Não vejo a liderança do PSD como algo que esteja para mudar portanto nem sequer é uma questão que coloque, até porque também não sei em que é que ser presidente de câmara conflituaria com esse objetivo, caso existisse. Não faço planos para ser líder do PSD.


Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados