"Nós vamos todos pagar isto", diz Teixeira dos Santos sobre o Novo Banco

Enquanto ministro das Finanças nacionalizou o BPN. Agora é contra a nacionalização do Novo Banco e não tem dúvidas de que, direta ou indiretamente, serão os portugueses a pagar a fatura.

Discordou do Fundo de Resolução por considerar que estava longe de ser a melhor solução para o BES. E, agora que o governo está a ultimar a venda do Novo Banco aos norte-americanos da Lone Star, Teixeira dos Santos não tem dúvidas de que todas as perdas que resultem desta operação serão pagas pelos portugueses.

"É certo que tudo o que forem perdas imputadas ao processo (de venda do Novo Banco) vão estar no Fundo de Resolução. E esse é um encargo que os bancos vão ter que suportar nos próximos 30 anos e que vão ser repercutidos nos cidadãos", assegura o atual presidente do banco BIC.

Teixeira dos Santos carrega nas tintas e avisa que "nós vamos pagar isto", lembrando que qualquer encargo que tenha de ser assumido pelos bancos que financiam o Fundo de Resolução vai acabar por ser pago através do aumento das taxas bancárias.

Na entrevista TSF/DN desta semana, Fernando Teixeira dos Santos diz que a nacionalização do Novo Banco "não faz sentido", até porque os desafios que o banco tem pela frente são grandes. "Fala-se em fecho de balcões, redução de pessoal e não me parece que, se o banco ficar na posse do Estado, pudesse levar a cabo um plano de reestruturação e de ganho de eficiência que seria necessário", explica o ex-ministro das finanças.

"Veja-se o que se está a passar com a CGD. O processo político e a pressão para que a CGD não melhore a sua operação. Imagine-se com o Novo Banco", conclui.

Para já, em cima da mesa, não está a nacionalização, mas a venda do Novo Banco, com a possibilidade do Estado ficar com 25% do capital, sem direito de voto e sem a possibilidade de nomear um administrador.

Teixeira dos Santos é crítico desta opção por considerar que "se o Estado mantiver 25% no banco e for um parceiro mudo, é uma forma de partilhar o risco da operação. Pode correr bem ou pode correr mal". Ou seja, na prática, é uma espécie de garantia estatal, que era exatamente o que o governo prometia que não ia dar à Lone Star.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de