Posição minoritária na TAP não é interessante para ninguém

Sabendo-se dos planos do governo à esquerda para a companhia de aviação, Humberto Pedrosa, líder do consórcio Gateway, diz que dificilmente pode aceitar uma posição minoritária na empresa.

Humberto Pedrosa muito dificilmente aceitará uma posição minoritária na TAP. O líder do consórcio vencedor da privatização de 61% do capital da TAP está disponível para conversar com um novo governo, mas defende que a transportadora aérea deve ter gestão privada.

Humberto Pedrosa diz que está disponível para conversar com o próximo governo mas lembra que uma posição minoritária não tem interesse

00:0000:00

Tudo depende da condições que forem colocadas em cima da mesa. Ouvido pela TSF, Humberto Pedrosa esclarece a posição com que parte para um cenário de novas negociações.

"O próximo governo, se quiser alterar alguma coisa, é uma questão de se falar para ver o que é possível. O que não é interessante para a TAP, nem para nós, é ficar numa situação minoritária sendo o Estado o maior accionista. A ficar assim,é preferivel ficar 100 por cento na mão do Estado", disse.

Humberto Pedrosa fala sobre a possibilidade de a TAP não ser privatizada

00:0000:00

Se a TAP não for privatizada, o consórcio deverá ser ressarcido dos investimentos já feitos. Humberto Pedrosa diz que fica triste mas também aliviado.

*Notícia atualizada às 19:32, com inserção da fotografia de Humberto Pedrosa em substituição da de David Neeleman, que foi erradamente utilizada na versão inicial do artigo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de