Regresso das 35 horas na saúde: sindicato ameaça com greve à 8ª hora de trabalho

Governo promete uma solução de última hora para quem tem contrato individual de trabalho. Sindicato espera... mas diz que, se nada mudar, avança com greve.

O Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (SINTAP) espera que o Ministério da Saúde apresente à última da hora, amanhã, quinta-feira, um dia antes do regresso das 35 horas de trabalho por semana no Estado, uma solução para os cerca de 40 mil trabalhadores com contrato individual de trabalho.

Estes trabalhadores, sobretudo enfermeiros, técnicos de diagnóstico, assistentes técnicos e operacionais, representam até agora uma exceção. Se nada mudar, continuarão a trabalhar 40 horas.

À TSF, o secretário-geral do SINTAP, José Abraão, explica que reuniram esta terça-feira com o ministério e foi prometida uma solução até 1 de julho.

O sindicalista diz que não é aceitável que uns trabalhem mais do que outros no Estado. Se nada mudar, o sindicato promete uma greve à oitava hora de trabalho.

José Abraão promete uma greve se o Ministério da Saúde não permitir que todos os trabalhadores trabalhem 35 horas.

00:0000:00

O ministro da Saúde desdramatiza a situação. Esta terça-feira à tarde, Adalberto Campos Fernandes diz que confia no diálogo com os sindicatos e lembra que é preciso dar tempo ao tempo quanto à adaptação dos trabalhadores da função pública que têm contratos individuais de trabalho.

As declarações do ministro da Saúde.

00:0000:00

Veja também:
Regresso das 35 horas: sem alternativas, escolas admitem cortar serviços

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de