Greve de trabalhadores dos supermercados antes do Natal

Paralisação de três dias começa na sexta-feira. Trabalhadores da grande distribuição reivindicam aumentos salariais e a negociação do Contrato Coletivo de Trabalho.

Os trabalhadores dos super e hipermercados, grandes superfícies especializadas, armazéns e logísticas da distribuição vão estar em greve nos dias antes do Natal.

Segundo um comunicado enviado às redações pelo Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), são anunciadas várias ações e piquetes de greve nos armazéns e nas lojas.

Dia 22 de dezembro, dos trabalhadores dos armazéns e logísticas da Jerónimo Martins /Pingo Doce; Sonae e Dia/Minipreço, vão levar a cabo uma ação de protesto às 8h frente à sede da Sonae na Maia (Porto).

Os trabalhadores do Lidl (lojas, armazéns, escritórios) também vão parar dia 22 de dezembro, com concentração às 11h frente à sede da empresa no Linhó, Sintra.

Nos dias 23 e 24 de dezembro todo o sector da grande distribuição parar.

Os trabalhadores estão em luta pelo aumento dos salários de todos os trabalhadores, eliminação da tabela B (mais baixa e aplicada em todos os distritos à exceção de Lisboa, Porto e Setúbal) e progressão automática dos operadores de armazém até ao nível VIII (operador de armazém especializado).

Não faltará bacalhau na mesa dos portugueses

Contactada pela TSF, Célia Lopes, dirigente da CESP lembra que os funcionários do sector da distribuição estiveram sem aumentos salariais entre 2010 e 2016.

A greve vai diminuir o número de trabalhadores numa época festiva, marcada por uma grande afluência aos supermercados, mas não será por este protesto que vai faltar bacalhau ou bolo rei na mesa dos portugueses, assegura Célia Lopes.

Ana Trigo de Morais, diretora geral da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED), não quis prestar declarações.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de