Um rol de críticas a Constâncio: "Ou fez parte ou foi deixado de parte"

O Banco de Portugal falhou e a audição de Vítor Constâncio na comissão de inquérito à CGD é prova disso mesmo, condenam os deputados.

Assista aqui em direto à II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da CGD e à Gestão do Banco

Um por um, os deputados que esta quinta-feira ouviram Vítor Constâncio na comissão de inquérito à Caixa deixaram farpas ao ex-governador.

Paulo Sá fez questão de "agradecer a em nome do PCP" o "testemunho eloquente da inutilidade da supervisão bancária".

"O pior cego é o que não quer ver", atirou Duarte Marques do PSD. No que toca à gestão danosa na Caixa, Vítor Constâncio "ou fez parte ou foi deixado de parte".

Também para a bloquista Mariana Mortágua, nesta audição Vítor Constâncio fez parecer que o Banco de Portugal não pode fazer mais do "verificar rácios e confirmar ratings". E na mesma linha Cecília Meireles, do CDS, reiterou que permanecem as dúvidas sobre que competências tinha de facto Vítor Constâncio.

A social-democrata Inês Domingues diz que este é "o exemplo acabado de um estilo português suave. Ninguém pede que o supervisor assente arraiais, mas pede-se responsabilidade".

Parece que dentro do Banco de Portugal "existe uma muralha chinesa que o impediu de ver o que se passava na CGD", já que segundo o ex-governador há muita informação que não chegou ao conselho de administração, considerou por sua vez o socialista João Paulo Correia.

A supervisão devia "ser o VAR de todo este sistema", em vez disso "não fez o seu papel", não protegeu os contribuintes, condenou.

Vítor Constâncio respondeu-lhe depois que o papel do Banco de Portugal não é proteger os contribuintes, mas sim os depositantes e a estabilidade do sistema financeiro.

LER MAIS:

- Vítor Constâncio não leu o relatório sobre a CGD. Deputada do PSD oferece-lho

- "Operações da CGD eram arriscadas, muito arriscadas, mas todas legais"

- Com Constâncio à frente do BdP foi "uma farra". Uma comissão com ânimos exaltados

- BdP fazia referência "precisa e minuciosa" a créditos problemáticos em 2011

- "Não teria qualquer dificuldade" em enfrentar uma reavaliação enquanto governador do BdP

- CGD pode ter "subestimado o risco" na atribuição de crédito

- Inspeções do BdP à CGD não revelaram "comportamentos anómalos" no crédito

- Caixa garante ter contratos de todos os créditos e legitimidade para os recuperar

- Porque não foi Armando Vara ouvido pela EY na auditoria à CGD?

- BES foi um dos principais responsáveis por prejuízos de 519 milhões de euros na CGD

- EY encontrou irregularidades na CGD "todos os anos"

- Que créditos são estes, Caixa? Inquérito arranca nesta terça-feira

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de