Vítor Constâncio não leu o relatório sobre a CGD. Deputada do PSD oferece-lho

Ao contrário do que pensava o ex-governador do Banco de Portugal, o relatório da auditoria à caixa é público.

Assista aqui em direto à II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da CGD e à Gestão do Banco

Na primeira ronda de perguntas dos deputados, o ex-governador do Banco de Portugal Vítor Constâncio admitiu que não lera o relatório da EY, responsável pela auditoria à gestão da Caixa Geral de Depósitos no período entre 2000 e 2015.

Disse que não lhe foi enviado e supunha "que não seja público". Vários deputados responderam-lhe quase em coro: "é, é".

Já na segunda ronda de perguntas, depois de uma pausa nos trabalhos da comissão, a deputada social-democrata Conceição Bessa Ruão fez questão de levar consigo uma cópia do relatório e oferece-lo ao ex-governador.

O relatório final da auditoria entregue pelo presidente da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo, à Presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, Teresa Leal Coelho, é público.

Está disponível para leitura na página do Parlamento e pode ser consultado aqui.

LER MAIS:

- "Operações da CGD eram arriscadas, muito arriscadas, mas todas legais"

- Com Constâncio à frente do BdP foi "uma farra". Uma comissão com ânimos exaltados

- BdP fazia referência "precisa e minuciosa" a créditos problemáticos em 2011

- "Não teria qualquer dificuldade" em enfrentar uma reavaliação enquanto governador do BdP

- CGD pode ter "subestimado o risco" na atribuição de crédito

- Inspeções do BdP à CGD não revelaram "comportamentos anómalos" no crédito

- Caixa garante ter contratos de todos os créditos e legitimidade para os recuperar

- Porque não foi Armando Vara ouvido pela EY na auditoria à CGD?

- BES foi um dos principais responsáveis por prejuízos de 519 milhões de euros na CGD

- EY encontrou irregularidades na CGD "todos os anos"

- Que créditos são estes, Caixa? Inquérito arranca nesta terça-feira

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de