A voz vencedora que vai mudar o destino de fadistas

O concurso "EDP Tanto Fado" descobriu no passado dia 29 de abril a grande vencedora. Com o regresso da embaixadora Carminho aos palcos e a atuação de oito finalistas foi possível fazer mais "Barulho que se vai cantar o Fado".

O fado é emoção, é Portugal. Atualmente, assistimos a uma crescente afirmação deste género musical no panorama da cultura portuguesa, presenciando-se assim o crescimento de novos cantores, músicos e compositores.

Com o contexto pandémico, os palcos ficaram artistas. Mas foi no dia 29 de abril, marcado pela autorização de abertura das salas de espetáculo ao fim de semana, que o palco do Campo Pequeno recebeu e assistiu ao nascimento de oito talentos no Fado, através do concurso "EDP Tanto Fado". E foi neste regresso aos palcos que a voz de Cassandra Cunha, de 25 anos, se fez ouvir e ganhou as preferências do júri, vencendo a final do "EDP Tanto Fado".

Para a EDP, o Fado faz parte do ADN de Portugal. Como tal, é necessário preservá-lo, apoiá-lo e estimulá-lo. Para Teresa Loreto, diretora de gestão de marca da EDP e jurada do concurso, "é muito importante mostrar o talento além-fronteiras".

O percurso da EDP no mundo do Fado não é novidade enquanto Energia Oficial da Música. Teresa Loreto reforçou a relação com o estilo musical português distinguido, em 2011, como Património Cultural e Imaterial da Humanidade pela UNESCO. "Nós já estávamos presentes no Fado através do apoio ao Festival do Fado e fora de Portugal em algumas cidades como Espanha e Brasil. Além disso também temos o palco EDP Fado Café no NOS Alive que tem sido um sucesso", salienta.

O "EDP Tanto Fado" também demonstrou ser uma aposta ganha. O concurso recebeu mais de 380 inscrições vindas dos quatro cantos do mundo, tendo chegado a países, como: França, Estados Unidos, Venezuela, Espanha, Índia, Inglaterra e Canadá. Durante o concurso as nove finalistas passaram por duas votações e somaram mais de 65 mil votos.

Antes do evento final, as finalistas tiveram direito a um workshop com o painel de júri, Everything is New, Sony Music, Museu do Fado, Ruela Music e com a embaixadora do concurso, a fadista Carminho. Durante o evento, as finalistas salientaram os vários conselhos dados pela fadista, onde o foco foi a necessidade de entrega total.

A emoção de quem canta para quem ouve

Com o mote "Barulho que se vai cantar o Fado" começou assim o evento final. Acompanhadas pelos seus músicos, as oito finalistas presentes cantaram dois temas escolhidos por si. No palco estiveram presentes Beatriz Felizardo, Carmo Moniz Pereira, Cassandra Cunha, Joana Carvalhas, Mia Moura, Sandra Filipe, Vânia Conde e Vera Lima. Só Beatriz Silva, também finalista, não pôde estar presente no evento final.

O painel do júri foi representado por Teresa Loreto, diretora de gestão de marca da EDP, Álvaro Covões, da Everything is New, Rita Oliveira, do Museu do Fado, Cátia Maurício, da Sony Music em Portugal, e João Pedro Ruela, da Ruela Music Management. Ao longo das atuações, o júri foi intervindo, reforçando a qualidade das atuações das finalistas.

"É extraordinária a vontade das pessoas da música. Elas sentem na alma, acreditam e gostam daquilo que é mesmo nosso, que é o Fado. A participação delas no EDP Tanto Fado tem um contributo muito valioso para o que vai ser o futuro delas", salientou Álvaro Covões.

Antes de ser anunciada a grande vencedora, a embaixadora Carminho também marcou o regresso aos palcos, onde deu um showcase enquanto o júri deliberava. A escolha não foi tarefa fácil, não conseguindo premiar apenas uma finalista. Assim, Joana Carvalhas, de 18 anos, recebeu uma menção honrosa e ganhou a oportunidade de atuar no palco EDP Fado Café no próximo NOS Alive.

A voz vencedora foi a de Cassandra Cunha, uma fadista com raízes transmontanas que divide a sua vida entre a arte e a ciência. A noite de 29 de abril foi marcada pela primeira vez que subiu a um palco e onde foi anunciada vencedora do concurso "EDP Tanto Fado". "É muito gratificante ver que o trabalho vale a pena", afirmou Cassandra. A vencedora vinda de Santa Marta de Penaguião é apaixonada por todas as formas de arte e o gosto pelo fado surgiu muito por influência da mãe.

"Eu vivo o Fado em casa com a minha dor, a minha solidão. Adoro Fado e sempre me vi em cima de um palco, mas faltava coragem para ir para a frente. Acontecer-me isto dá-me força para agarrar este sonho", disse a vencedora do concurso que cantou os temas "À noitinha" e "Cansaço", de Amália Rodrigues.

A vencedora vai ter a oportunidade de gravar um álbum com a produtora Sony Music Portugal e irá ainda atuar no palco EDP Fado Café na próxima edição do festival NOS Alive.

A embaixadora Carminho regressou aos palcos com o showcase dado no final do concurso "EDP Tanto Fado" e salientou a seleção de finalistas. "Todas têm muito talento, algumas delas já com alguma experiência nas casas de fado. Fiquei contente, porque não se pode começar só do nada. Há que ter muita vontade, gostar de Fado e vontade de fazer as coisas bem feitas", reforçou Carminho.

O concurso "EDP Tanto Fado" foi o realizar de um sonho para as oito finalistas. "Barulho que se vai cantar o Fado".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de