CGTP: resultados das Europeias "dão mais força" às reivindicações dos trabalhadores

Arménio Carlos considerou que "a vitória do PS, a subida do BE e, sem prejuízo do recuo, os resultados da CDU, confirmam a importância da atual correlação de forças na Assembleia da República.

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, considerou hoje que os resultados das eleições europeias em Portugal "dão mais força" às reivindicações e aspirações dos trabalhadores, dado os "fracos resultados dos partidos de direita".

"Estas eleições confirmam sobretudo a importância da adoção de políticas que promovam o avanço nos direitos dos trabalhadores e a coesão social e territorial do país", disse o sindicalista à agência Lusa.

Para a intersindical, "as pesadas derrotas do PSD e do CDS confirmam que os trabalhadores e o povo rejeitam o regresso ao passado, ao tempo dos cortes nos rendimentos e direitos, da política de sentido único que acentuou a exploração e as desigualdades".

Arménio Carlos considerou que "a vitória do PS, a subida do BE e, sem prejuízo do recuo, os resultados da CDU, confirmam a importância da atual correlação de forças na Assembleia da República e as potencialidades que encerra para fazer avançar direitos e rendimentos dos portugueses".

"Uma relação que deve ser potenciada para responder aos problemas estruturais que continuam a marcar o quadro económico, laboral e social no nosso país", defendeu.

Segundo Arménio Carlos, "este é o momento certo para a evolução e para o Governo socialista responder às reivindicações dos trabalhadores".

"É altura de o PS abandonar a proposta de lei que introduz o retrocesso social, é altura de o PS dizer se vai satisfazer os interesses do capital e dar a mão ao PSD e ao CDS ou se coloca do lado do trabalho, pela valorização dos trabalhadores e o desenvolvimento económico e social do país", disse, referindo-se à proposta de revisão do Código do Trabalho que está no parlamento.

A CGTP salientou ainda a "elevada abstenção" das eleições de domingo e considerou que este "fenómeno não pode ser desligado da política anti-laboral e antissocial da União Europeia e do seu distanciamento face à necessidade de desenvolvimento de países como Portugal e do bem-estar da sua população".

O PS venceu as eleições europeias e elegeu nove eurodeputados, o PSD conseguiu seis mandatos, o BE dois, a CDU dois, o CDS-PP um e o PAN também um.

Portugal elege 21 dos 751 deputados ao Parlamento Europeu.

Continuar a ler

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de