Nuno Melo acusa António Costa de dar "as mãos ao PREC"

Numa ação de rua este domingo de manhã, o candidato do CDS-PP recebeu apoios e voltou a criticar os socialistas, em especial, o líder António Costa.

O candidato do CDS-PP às europeias começou este domingo, manhã cedo, a campanha, na Póvoa de Varzim, Porto, e a traçar fronteiras com o PS e António Costa que "deu as mãos ao PREC" para governar em 2015.

"A fazer pela vida", como disse ao homem a quem deu o primeiro "santinho" da manhã, ou panfleto, na gíria partidária, Nuno Melo avançou marginal abaixo cumprimentando as poucas pessoas que ali estavam àquela hora e a meio da avenida falou aos jornalistas.

O cabeça de lista traçou fronteiras e sublinhou que o PS de António Costa é diferente do de Mário Soares, fundador e líder histórico socialista, que esteve do lado do "25 de Novembro", como o CDS, contra os revolucionários de esquerda no Processo Revolucionário em Curso (PREC) de 1975.

"Basicamente, dr. António Costa deu as mãos ao PREC, com ele governa e nós somos o 25 de Novembro", disse.

Pelo terceiro dia consecutivo, apresentou o CDS como um partido da "direita da tolerância", democrática, colocou o PSD "ao centro", e pediu o voto no seu partido como forma de dar um sinal à Europa contra os extremismos.

Porque o risco de crescimento da extrema-direita e dos populismos existe, e tem um "voto militante", "era importante" que Portugal desse esse sinal "de tolerância", insistindo na ideia de o CDS ficar em terceiro lugar, à frente do BE e PCP, partidos que "defendem as ditaduras" na Coreia do Norte, Cuba ou Venezuela.

Mas acabaram aí as referências à Europa e entrou na política interna de Portugal, onde "os extremismos se jogam à extrema-esquerda", com um Governo do PS, com o apoio dos partidos de esquerda.

Nuno Melo recordou que a coligação PSD/CDS-PP ganhou as eleições em 2015, que o PS as perdeu e se deixou "sequestrar" pela "agenda ideológica" da esquerda, "dos transportes à educação e à saúde" e que, ainda por cima, é muito cara", contribuindo para a má situação do país.

Se os partidos de direita voltarem a perder as eleições e PS e partidos de esquerda voltarem a ter maioria, Nuno Melo discorda que o eleitorado esteja errado.

"Os portugueses nunca se enganam, quem se engana muitas vezes são os políticos", afirmou, como disse ter acontecido com o primeiro-ministro, António Costa, quando "se convence que venceu as eleições" e, afinal, "perdeu" -- "Governa, mas não venceu".

António Costa "é um habilidoso, consegue fazer das derrotas vitórias", afirmou, e "até governar sendo derrotado", quando em relação a outros dentro do PS "exigiu que se demitissem, tendo vencido", numa referência a António José Seguro, seu antecessor na liderança do partido, que desafiou por ter ganho as europeias de 2014 por "poucochinho".

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de