Nuno Melo recusa colagem do CDS ao patriarcado

Nuno Melo não assume qualquer responsabilidade pelo apelo que o patriarcado fez nas redes sociais a favor dos partidos pró-vida. Em campanha, o centrista aproveitou também para criticar a falta de atuação do Governo no plano de combate aos fogos

Nuno Melo rejeita qualquer responsabilidade ou colagem do partido aos comentários feitos na página do patriarcado a favor dos partidos pró-vida, e defende que as entidades não deveriam fazer apelos ou defesas de sentido de voto.

O patriarcado partilhou, nas redes sociais, uma publicação da Federação Portuguesa pela Vida, em que se defende o voto naqueles partidos por serem contra o aborto, a eutanásia e a prostituição: CDS, BASTA e NÓS CIDADÃOS.

"O CDS não é o patriarcado. O CDS não pode responder por qualquer entidade que fale pelo CDS ou por outro partido", asseverou o candidato centrista ao Parlamento europeu. Nuno Melo revelou assistir, "infelizmente, a muitos apelos de várias entidades em relação a outros partidos e ao nosso", acrescentou, em declarações à TSF.

Questionado esta manhã em Évora sobre se fica incomodado por o CDS surgir associado a um partido como o Basta, o candidato centrista às Europeias garantiu que é uma questão de democracia. "Em democracia, equivale a perguntar se incomoda a qualquer partido ter o símbolo de todos os outros no boletim de voto", afirmou o cabeça de lista do partido às Europeias, à margem de uma visita à fábrica da Embraer.

Nuno Melo falou ainda sobre a prevenção de incêndios."Quando, no combate aos fogos, não há meios aéreos, nem há SIRESP, não há ministro da Administração Interna, nem há Governo", acusou o cabeça de lista.

O candidato do CDS adiantou que a ausência dos prometidos meios aéreos para o Alentejo é muito preocupante, e apontou o dedo ao Executivo socialista por nada ter aprendido desde 2017. "Nós chegámos realmente a este ponto. Isto é muito grave quando se trata de um tema que tão tragicamente significou mais de 100 mortos em 2017. Em poucos anos, não se aprendeu nada", frisou.

Na visita à Embraer, o centrista que quis sinalizar um dos bons exemplos do que se faz no interior, e aproveitou para reclamar o mérito do CDS por ter pedido que se "repensasse a ligeireza com que se atribuem condecorações".

O CDS-PP foi o "primeiro partido a pedir que as condecorações atribuídas a Joe Berardo fossem repensadas e retiradas", lembrou Nuno Melo , que viu com agrado o "consenso na classe política". Todos os partidos concordaram com o CDS, inclusive o "próprio presidente da Assembleia da República e o Presidente da República, que sobre isso tomou uma posição".

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de