Sem medo da rua, Rangel não se intimida com o "descarado" Costa

"António Costa é que tem descaramento". É desta forma que Paulo Rangel responde ao secretário-geral do PS que o acusou de não ter feito nada pelo interior nos últimos dez anos. PSD responde com "trabalho contra cortes nos fundos comunitários" e deixa alfinetada: "nós não temos medo da rua".

"Anda, Constança, foge!", diz uma mãe para a filha numa praça de Guimarães ao ver Paulo Rangel e a caravana do PSD. Mas é uma das exceções à regra neste bastião socialista onde a trupe laranja voltou à carga com a "campanha da caneta".

Um sorridente Paulo Rangel com a companhia de José Manuel Fernandes, o eurodeputado que é o número 3 da lista do PSD às europeias, percorreram o centro de Guimarães no apelo ao voto. José Manuel Fernandes que, de resto, foi um trunfo para este dia no contacto com a população (o novo nome para as arruadas).

Abrindo caminho a Paulo Rangel, ele dava abraços, ele dava beijinhos, ele distribuía manifestos e até saltava quando a juventude social-democrata gritava por ele.

"Nós não temos medo da rua", diz Rangel, ao sublinhar que a caravana passa hoje por territórios não tão favoráveis ao PSD. "Estamos a fazer ações de rua em Vizela, Guimarães e em Barcelos, tudo municípios de cor socialista. Nós saímos à rua em todo o lado, não é como o PS que nunca sai à rua e quando sai é em clima favorável e, mesmo assim, ninguém sabe quem é o cabeça-de-lista. Nós vamos à rua em todo o lado", afirma o cabeça-de-lista.

O "descaramento" de António Costa

Começando por dizer que o trabalho dos eurodeputados sociais-democratas é reconhecido, Paulo Rangel não deixa António Costa sem resposta. Depois de ontem o secretário-geral do PS ter acusado Rangel de nada ter feito pelo interior nos últimos 10 anos, o número 1 do PSD contra-ataca com a resposta que tem na ponta da língua: foi o governo, "em particular António Costa e Pedro Marques", que fazem com que o país perca 7% nos fundos. "Quem fez aprovar uma resolução no Parlamento Europeu em que Portugal não perde 1 cêntimo fomos nós", esclarece Rangel.

"António Costa é que tem descaramento", remata o candidato questionando "o que é que o governo fez pelo interior". "[O governo] acaba de fazer uma reprogramação em que desvia para a Área Metropolitana de Lisboa e para a Área Metropolitana do Porto fundos da região Norte, Centro e do Alentejo. Estamos a falar de centenas de milhões de euros. Uma pessoa que faz mal ao interior é que vem agora falar com autoridade?", pergunta.

E se se puxa por Paulo Rangel, as respostas vão ter espinhos. "Uma coisa é certa: António Costa está a debater-se com Paulo Rangel porque ele sabe muito bem que ele é que é o cabeça de lista às europeias, é o cabeça-de-lista real porque o cabeça-de-lista virtual não aparece", conclui o candidato que ao início do dia, em Vizela, reiterou o otimismo que sente nesta altura em relação a um bom resultado nas urnas.

Entre os já habituas cânticos, não faltou aquele que é já o hit da juventude social democrata nesta campanha ("E ninguém cala esta choradeira... E chora o Costa, e chora o Marques, chora a família inteira") e que ecoou pelo centro de Guimarães, cidade onde Paulo Rangel também ouviu da boca de uma senhora: "Veja se enterra o Sócrates... Ai, o Sócrates não...". "O Costa...", corrige Rangel entre risos esperando conseguir um bom resultado nas urnas.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de