Uma lagarta que um dia percebe que tem de ser borboleta

É assim que as PME se sentem relativamente à transformação digital. E foi este o tema do IV Encontro do Prémio Heróis PME, organizado pela Yunit e Victoria Seguros.

Na passada terça-feira, dia 26 de março, em Braga, aconteceu o IV e último dos "Encontros Yunit Heróis PME, hosted by Victoria Seguros". Com foco no tema da Inovação e Transformação Digital, reuniram-se várias PME portuguesas para debater e conhecer melhor este tema, de tão grande importância para quem está a iniciar o seu negócio, como de facto referiram os convidados da mesa redonda. Com moderação de Susana Pascoal, Diretora de Marketing da Victoria Seguros, esta mesa redonda teve como oradores Miguel Soares, CEO da Parteam & Oemkiosks, Valentino Pereira, sócio-gerente da ITEC, e Marcos Lopes, Head of Digital Transformation na Yunit.

Foi com a ideia de que "as máquinas não retiram recursos humanos, apenas os transformam", que Miguel Soares iniciou o debate. CEO da Parteam & Oemkiosks, uma empresa que produz quiosques interativos e que vive da tecnologia, Miguel Soares sente que existe uma obrigatoriedade de digitalização das empresas, de forma a que não fiquem "para trás". Para além disto, para este empresário, o cliente "tem de estar no centro de tudo", o que também obriga a processos de customização e personalização constantes, que são cada vez mais importantes.

Valentino Pereira, sócio-gerente da ITEC, a maior construtora de máquinas para grandes empresas (como a Bosh) de Portugal, concorda com Miguel, mas acrescenta ainda que "a transformação digital já não tem recuo, uma vez iniciada já não se pode regredir". Com a rapidez do mundo em vivemos, "chegou um momento na ITEC em que sentimos que tudo o que se fazia ficava rapidamente desatualizado, por isso foi obrigatório haver transformação digital. Agora, não achamos possível trabalhar de outra forma".

No mesmo seguimento, Marcos Lopes, Head of Digital Transformation na Yunit, reforça que "a transformação digital é uma metamorfose, são todos os processos tecnológicos que a empresa tem de fazer para se tornar mais leve, 'sem gorduras'". No entanto, esta transformação digital pode ser feita de duas formas: em cascata, em que os processos são progressivos; e em big bang, em que tudo é feito em simultâneo; mas tudo depende de como e quando a empresa quer dar "este salto". Porém, quanto mais cedo começar a sua transformação digital, mais possibilidades tem de fazer os processos em cascata.

Para além disto, Marcos Lopes concorda que todas as decisões da empresa devem estar focadas no que o cliente quer e no que o cliente acha do produto.

Também Susana Pascoal, moderadora da mesa redonda e Diretora de Marketing da Victoria Seguros, deu a sua opinião sobre este tema, referindo que "a transformação digital acaba por ser uma mudança do modelo de negócio e dos recursos, sendo que até se pode dizer, no limite, que o resultado deste processo é uma nova empresa".

Assim, este último momento da iniciativa "Encontros Yunit Heróis PME, hosted by Victoria Seguros" ficou marcado pela ideia de que a transformação digital é essencial para todas as empresas e que a personalização e customização dos produtos consoante o cliente, que são possibilitadas pela transformação digital, são imprescindíveis no sucesso do negócio. O que também marcou este encontro foi o testemunho de Miguel Soares, um dos vencedores da 1ª edição do Prémio Heróis PME, que motivou todas as empresas presentes a não desistir, pois "as coisas não correm sempre bem", mas é necessário arriscar e avançar com as ideais.

Nesta iniciativa, que tanto tem dado a conhecer às PME portuguesas sobre recursos humanos, internacionalização, financiamento e inovação, segue-se a Gala final da entrega do Prémio Heróis PME à empresa que mais se destacar. Acompanhe tudo no Canal dos Heróis PME, no Dinheiro Vivo e TSF.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados