O palácio de um rei ousado, que ousou ser Património Mundial da Humanidade

O "Na minha praia" esteve no Palácio Nacional de Mafra.

O Palácio Nacional de Mafra, recém classificado como Património Mundial da UNESCO, foi mandado construir por D.João V.

Tem cerca de 40 mil m2. Uma "cidade real", como lhe chama o historiador António Pimentel.

Percorremos parte dele, mas nem metade, para trazermos neste "na minha Praia" alguns daqueles que são os seus espaços mais interessantes.

Seis órgãos que emanam um som único, dois carrilhões como não é habitual ver por estes lados da Europa, um palácio com ala para o rei e outra para a rainha. Um convento. Uma enfermaria.

A biblioteca é a grande sala do Palácio Nacional de Mafra, com uma das mais importantes coleções de obras impressas publicadas até ao século XVIII.

Há tanto para descobrir dentro e fora das paredes deste monumento. Ora vamos lá a isso:

O Palácio Nacional de Mafra recebe cerca de 400 mil visitantes por ano, mas quer, agora com o símbolo de património mundial, alcançar um número ainda maior.

Fomos em via fechado às visitas, à terça-feira, por isso, cuidado, o chão brilha por estar encerado, mas está escorregadio.

É com o Palácio Nacional de Mafra, agora património mundial da UNESCO, que fechamos esta semana em que andámos pela Ericeira, a praia escolhida pela jornalista e Escritora Alice Vieira.

Pela vila piscatória destacámos o surf e a reserva mundial do surf. Mais acima, no interior, percorremos a Tapada de Mafra e agora o Palácio Nacional.

Tudo isto, na Minha Praia desta semana.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados