Risco Cardiovascular

"Relação entre médico e doente é fundamental para combater doenças do coração"- Nuno Jacinto, presidente Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar -

A proximidade entre o médico de família e os pacientes é crucial para reduzir o risco cardiovascular e os efeitos das doenças associadas. O papel do profissional é crucial, mas o paciente tem também tarefas importantes a desempenhar.

O enfarte do miocárdio e o avc são uma das principais causas de morte em Portugal. A adoção de um estilo de vida saudável e vigilância médica regular ajudam a prevenir estas e outras doenças cardiovasculares, patologias ligadas ao coração e aos vasos sanguíneos que afetam o sistema circulatório.

Ajudar a controlar e a diagnosticar é uma das muitas ações que passam por um médico de família. O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, Nuno Jacinto, explica que um dos objetivos destes profissionais é alertar os doentes. "O médico de família é fundamental, porque grande parte da atuação perante as pessoas com risco cardiovascular elevado passa precisamente pela prevenção. Prevenir é uma atividade central e de eleição dos médicos de família. Começamos logo a falar em prevenção quando abordamos os estilos de vida saudáveis, como uma alimentação variada e equilibrada, a prática do exercício físico regular e evitar o consumo de álcool em excesso e do tabaco e outras drogas".

Controlar os fatores que permitem reduzir o risco cardiovascular passa por verificar regularmente a tensão arterial, manter os valores normais do colesterol e evitar a diabetes. O especialista dá enfase também ao papel que os próprios doentes podem desempenhar nesta questão adotando estilos de vida menos sedentários e recorrendo a um tipo de alimentação mais saudável. São conselhos que lhes são incutidos nas consultas. Acrescenta ainda a necessária e sempre útil proximidade entre médico e paciente. "Esse é o pilar central de qualquer relação terapêutica e é bastante importante. É algo que se faz aos poucos, uma vez que não se constrói de um momento para o outro, daí a importância da continuidade dos cuidados. O médico de família é a figura do sistema de saúde que está lá para o doente, é o ponto de referência para todas as situações e que ao longo do tempo vai acompanhar o utente".

É a relação de confiança entre ambas as partes, fortalecida não só pela duração como pela proximidade que permite melhores resultados. "Não são raras as vezes, e todos os médicos de família passam por isso, em que os doentes nos dizem que apenas por terem vindo à consulta já se sentem melhor. É um ganho em saúde esta relação entre o profissional e o doente. Por essa razão é tão importante a prática dos médicos de família".

Pela sua saúde cardiovascular uma iniciativa TSF com o apoio da Servier Portugal

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de