Módulo de foguetão da Space X em risco de colidir com a Lua em março

O Falcon 9 foi lançado em 2015, mas o seu módulo superior ficou "abandonado" num local sem combustível nem energia. Especialistas dizem que, "muito provavelmente", irá atingir o lado mais distante da Lua, perto do Equador, a 4 de março.

PorCarolina Quaresma
© Photo by Ganapathy Kumar on Unsplash

Sete anos depois do lançamento da missão interplanetária da Space X, uma parte do Falcon 9 poderá estar em rota de colisão com a Lua. O foguetão foi originalmente lançado na Flórida, em fevereiro de 2015, mas o seu módulo superior acabou por ficar "abandonado" num local sem "combustível para regressar à Terra", nem "energia para escapar da gravidade Terra-Lua". Os especialistas avançam que a colisão poderá acontecer em março.

O anúncio foi feito pelo analista de dados Bill Gray, que escreve o Project Pluto, um software especializado na deteção de objetos próximos da Terra. Citado pelo The Guardian, Gray adianta que o módulo superior do Falcon 9 irá "muito provavelmente" atingir o lado mais distante da Lua, perto do Equador, a 4 de março.

O analista acrescentou que o objeto "fez um sobrevoo lunar próximo a 5 de janeiro", mas vai causar "um certo impacto a 4 de março". De acordo com observadores do espaço, o foguetão, que pesa quatro toneladas, deverá colidir com a superfície da Lua a uma velocidade de 2,58km/segundo.

O local exato da colisão é incerto devido ao efeito imprevisível da luz solar sobre o foguetão e à "ambiguidade na medição dos períodos de rotação", que podem alterar ligeiramente a sua órbita. Gray afirma que eram necessárias mais observações para ter uma ideia mais precisa sobre o tempo e a localização da colisão.

Quanto à possibilidade de a colisão ser vista da Terra, Gray diz que provavelmente passará despercebida. "A maior parte da Lua está no caminho e, mesmo que estivesse do lado mais próximo, o impacto ocorre alguns dias após a Lua Nova."

Jonathan McDowell, astrofísico da Universidade de Harvard, escreveu numa publicação na rede social Twitter que a colisão, prevista para março, "é interessante, mas não é grande coisa".

Os especialistas na matéria acreditam, contudo, que a colisão poderá fornecer dados importantes. Também citado pelo jornal britânico, o meteorologista Eric Berger considera que o acontecimento permitirá a observação de material subterrâneo que será ejetado do foguetão devido ao impacto da colisão. Já Bill Gray diz que está "a torcer por um impacto lunar".

Relacionados

Veja Também

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG