Análise ao Galaxy A51: bestial face aos rivais, mas não é à prova do futuro
Mundo Digital

Análise ao Galaxy A51: bestial face aos rivais, mas não é à prova do futuro

É muito difícil não gostar do Samsung Galaxy A51. O aspeto, a qualidade de construção e a autonomia são pontos a favor do sucessor de um dos telemóveis que mais vendeu em 2019. Será que este irá repetir esse sucesso?

Apesar dos muitos pontos a favor deste novo membro da família Galaxy A da Samsung, há algumas nuvens negras a pairar sobre o A51. Um céu mais nublado, em parte, por causa do 5G.

A nova geração das comunicações móveis vai ser a pedra de toque de 2020. A compatibilidade com essa tecnologia é o que vai permitir a um telemóvel estar, ou não, preparado para o futuro.

Claro que tal como o A51, muitos telemóveis lançados ao longo deste ano não vão ser à prova de futuro, mas não será esse um ponto a ter em conta na altura de comprar um telefone?

De resto, justiça lhe seja feita, o novo gama-média da Samsung não tem muito mais falhas que se lhe possam apontar. Na câmera teria sido bom ver uma lente zoom. O processador nem sempre é o mais despachado. Mas para além disso, nada.

O ecrã é grande e luminoso, a bateria dura perto de dois dias, as fotografias saem bem, a construção é sólida e até o preço é bastante razoável. Não há rival que não sinta inveja.

Assim, como não gostar muito do Galaxy A51? Só se olharmos para o futuro.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de