Análise (e sorteio) ao Amazfit GTR, um relógio desportivo da Xiaomi
futuro

Análise (e sorteio) ao Amazfit GTR, um relógio desportivo da Xiaomi

Apesar do ótimo aspeto, chamar relógio inteligente ao Amazfit GTR é um claro exagero. No entanto, se baixarmos as expectativas para uma pulseira de atividade física, então estamos perante um bom dispositivo.

Nesta análise, o equipamento em destaque foi o Amazfit GTR, mas podia ter sido o GTS, já que apesar de terem designações diferentes, são dispositivos iguais que apenas diferem no aspeto. O GTR é muito semelhante ao GT2, da Huawei, ao passo que para o GTS, a Xiaomi foi buscar inspiração ao relógio da Apple.

Está a sentir-se com sorte?

Feita a análise, fica aqui a boa notícia. Pode candidatar-se a ficar com a unidade que foi testada. Basta ir por aqui .

E o que dizer do Amazfit GTR?

Pena é que seja apenas no aspeto que os GTR/GTS lembrem os seus inspiradores. No resto, ficam muito aquém das suas capacidades.

Não permitem a instalação de apps, não têm microfone nem coluna, pelo que não fazem nem recebem telefonemas... e mesmo no campo das notificações ficam-se pelo muito básico.

Não é um smartwatch, mas enquanto pulseira de fitness não vai nada mal

É a partir do momento em que se percebe que não é um smartwatch, que o cenário começa a melhorar bastante.

Basta pensar na autonomia. O GTR consegue trabalhar durante duas semanas sem ir ao carregador. Depois, é muito rápido a apanhar a localização via GPS e os percursos que grava são detalhados e fiáveis. Outra boa notícia é que esses registos podem ser exportados para o Strava, uma app muito usada por quem faz corrida.

Ainda entre os dados positivos está o facto das braceletes terem um tamanho standard, portanto fáceis de torcar, e o ecrã, que tem um óptimo detalhe e é brilhante.

Feitas as contas, para muita gente, principalmente para quem não quer gastar muito dinheiro... este GTR, apesar de não ser um smartwatch chega e sobra.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de