Colisão de módulo do Falcon 9 pode ajudar a revelar os mistérios e enigmas da Lua

Especialistas preveem que um dos módulos do Falcon 9, um foguetão lançado pela Space X há sete anos, poderá colidir com a Lua no início de março. O astrónomo Miguel Gonçalves explica à TSF que o fenómeno deverá ajudar os cientistas a compreender melhor a Lua, "um corpo sem atmosfera e que continuar a ser um grande enigma".

Especialistas avançam que um dos módulos do foguetão Falcon 9, que foi lançado em 2015 como parte de uma missão interplanetária da Space X, está em rota de colisão com a Lua e pode atingir o satélite natural da Terra a 4 de março. Miguel Gonçalves, astrónomo e comunicador de ciência, refere que este acontecimento pode dar mais dados sobre a Lua, um corpo sem atmosfera e que continua a ser um mistério.

"Há alguma expectativa por parte da comunidade científica que isto possa servir ou dar alguns dados científicos, porque uma coisa é embater com a Terra, outra coisa é o embate de um objeto num corpo que não tem atmosfera e que apesar de todas estas missões ainda continua a ser um grande enigma", afirma, adiantando que a colisão do foguetão com a Lua "não apresenta nenhum problema".

O astrónomo explica o que poderá estar na origem deste fenómeno.

"Quando há lançamento de satélites ou deste tipo de observatórios, os estágios superiores destes foguetões são depois colocados em rotas que não têm qualquer tipo de impacto e não criam nenhum tipo de problema quer à Terra quer à nossa Lua ou aos corpos circundantes, ou então têm combustível suficiente para se dirigirem novamente para a Terra e serem queimados pela atmosfera", argumenta, sublinhando que "foi o que aconteceu com este estágio do Falcon 9".

De acordo com Miguel Gonçalves, "no dia 4 de março, pelas 12h25, este estágio pode, de facto, colidir com o outro lado da Lua, aquele lado da Lua que não conseguimos ver a partir da Terra".

Sete anos depois do lançamento da missão da Space X, o módulo superior do Falcon 9 acabou por ficar "abandonado" num local sem "combustível para regressar à Terra", nem "energia para escapar da gravidade Terra-Lua", explicaram os especialistas, que avançam que a colisão do foguetão com a Lua poderá acontecer em março.

De acordo com observadores do espaço, o foguetão, que pesa quatro toneladas, deverá colidir com a superfície da Lua a uma velocidade de 2,58km/segundo.

O local exato da colisão é incerto devido ao efeito imprevisível da luz solar sobre o foguetão e à "ambiguidade na medição dos períodos de rotação", que podem alterar ligeiramente a sua órbita. O analista de dados Bill Gray afirma que eram necessárias mais observações para ter uma ideia mais precisa sobre o tempo e a localização da colisão.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de