Empresa-mãe do Facebook, Instagram e WhatsApp passa a chamar-se Meta

Mark Zuckerberg diz ser altura de "ajudar a construir o próximo capítulo" no mundo das redes sociais.

A empresa que detém as redes sociais Facebook, Instagram e WhatsApp vai passar a chamar-se Meta. Assim, não se confirma a mudança de nome da rede social fundada por Mark Zuckerberg, que tinha vindo a ser falado nas últimas semanas.

A Meta é assim uma holding que detém todos os produtos e marcas até aqui associados à Facebook enquanto grupo e o novo nome é uma tentativa de abranger a sua visão de realidade virtual para o futuro, a qual designa por "metaverso".

Zuckerberg já explicou que esta alteração é um espelho do futuro e daquilo que a companhia pretende criar. "Aprendemos muito com as dificuldades das questões sociais e a vida em plataformas fechadas, e agora é tempo de pegar em tudo o que aprendemos e ajudar a construir o próximo capítulo", disse durante a conferência anual de desenvolvedores.

"As nossas aplicações e marcas, essas não estão a mudar", garantiu. Facebook, Instagram, Messenger e WhatsApp não vão, assim, mudar de nome, tal como a estrutura corporativa da empresa também não irá sofrer alterações, mas as suas ações passarão a ser negociadas sob a designação "MVRS" em 1 de dezembro.

Os críticos apontam, no entanto, que a mudança parece ser uma tentativa de desviar as atenções dos 'Facebook Papers', um conjunto de documentos confidenciais que foram expostos e divulgados por um consórcio de órgãos noticiosos, incluindo a Associated Press (AP).

Muitos desses documentos, mencionados pela primeira vez por Frances Haugen, uma ex-funcionária do Facebook que se tornou denunciante, revelam como a empresa fundada por Mark Zuckerberg ignorou ou subestimou avisos internos sobre as consequências negativas e prejudiciais causadas pelos algoritmos da rede social em todo o mundo.

Zuckerberg diz esperar que o "metaverso" alcance mil milhões de pessoas durante a próxima década e que será um lugar onde as pessoas poderão interagir, trabalhar e criar produtos ou conteúdos no que espera ser um ecossistema que irá criar milhões de empregos para criativos.

O diretor executivo justificou a mudança de nome afirmando que "Facebook" não abrange tudo o que faz a empresa que inclui, além da rede social principal, o Instagram, o Messenger, a Quest VR e a plataforma Horizon VR, entre outras.

"Hoje somos vistos como uma rede social, mas no nosso ADN somos uma empresa que desenvolve tecnologia para conectar pessoas", explicou.

Notícia atualizada às 20h55

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de