Tem um pacemaker? Mantenha-o afastado do iPhone, alerta a Apple

A Apple atualizou um documento de apoio técnico que passa a recomendar os utilizadores de dispositivos médicos a ter um cuidado especial com os seus aparelhos.

A Apple assumiu oficialmente que os iPhone podem interferir em dispositivos médicos, recomendando a utilizadores de pacemakeres que os mantenham "uma distância segura" dos smartphones.

Isto depois de um estudo científico divulgado no início do mês ter sugerido que os quatro novos modelos do iPhone 12 e os acessórios do sistema de carregamento sem fios MagSafe podiam interferir seriamente com implantes cardíacos.

A Apple declarou inicialmente que os modelos iPhone 12, iPhone 12 mini, iPhone 12 Pro e iPhone 12 Pro Max e os acessórios MagSafe não representavam qualquer problema para os utilizadores de dispositivos médicos, mas a grande discussão levantada por este estudo parece ter levado a empresa a reformular as afirmações.

Num aviso publicado este sábado na página de suporte técnico da marca, a Apple explica que todos os smartphones iPhone contêm no seu interior ímanes e sinais rádio que emitem campos eletromagnéticos que podem constituir um risco para os utilizadores de pacemakeres.

Ressalva, no entanto, que apesar de os iPhone 12 ter mais ímanes do que versões anteriores dos smartphones da marca, este novo modelo não representa um risco acrescido.

Para evitar potenciais interações, é importante manter qualquer telemóvel iPhone e também os acessórios MagSafe longe de qualquer dispositivo médico, alerta a Apple.

Os "dispositivos médicos, como pacemakers implantados e desfibriladores, podem conter sensores que respondem a ímanes e sinais rádio quando existe um contacto próximo. Para evitar possíveis interações com esses dispositivos, mantenha o iPhone e os acessórios MagSafe a uma distância segura do dispositivo (15 cm de distância ou mais de 30 cm se estiver a carregar sem fios)", pode ler-se no site da empresa.

A Apple recomenda ainda que os utilizadores de pacemaker consultem o seu médico e o fabricante do dispositivo para obter orientações específicas e pararem de usar o iPhone de imediato se suspeitarem de qualquer interferência.

Os portadores de pacemakers são aconselhados a ter especial cuidado com fontes de interferência eletromagnética que possam alterar parâmetros importantes na programação desses dispositivos, mesmo que geralmente não constituam risco de vida.

Podem usar a maioria dos eletrodomésticos, mas não podem, por exemplo, fazer exames médicos que recorram a ondas eletromagnéticas ou microondas de frequências muito curtas, como terapia de radiação, ressonâncias magnéticas, diatermia, eletrocirurgia e alguns tratamentos dentários.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de