"Um colosso nesta direção." Hubble fotografa cometa mais largo alguma vez observado

O C/2014 UN271 (Bernardinelli-Bernstein) tem 137 quilómetros de largura e maior núcleo de sempre identificado pelos astrónomos, muito maior do que o da maioria dos cometas.

O telescópio espacial Hubble, da NASA, confirmou a existência do cometa mais largo alguma vez observado, com um núcleo 50 vezes maior do que a média nestes corpos celestes. O C/2014 UN271 (Bernardinelli-Bernstein) está a percorrer o sistema solar a 35.405 quilómetros por hora.

Detetado pela primeira vez em 2010 pelos astrónomos Pedro Bernardinelli e Gary Bernstein no Observatório Interamericano de Cerro Tololo, no Chile, o Hubble confirmou agora que este cometa tem 137 quilómetros de largura e um núcleo gelado com 500 biliões de toneladas.

Em comunicado, a NASA descreve o C/2014 UN271 como um "colosso" que se desloca "nesta direção", a caminho do centro do sistema solar, sem risco de colisão com a Terra. Estima-se que a maior aproximação fique a 1,6 milhares de milhão de quilómetros do Sol, em 2023, um pouco mais longe do que o planeta Saturno.

"Sempre suspeitámos que este cometa tinha de ser grande porque é tão brilhante apesar de tão distante. Agora conseguimos confirmá-lo", afirma David Jewitt, especialista em ciências planetárias e astronomia na Universidade da Califórnia e coautor do estudo sobre este cometa publicado na revista científica The Astrophysical Journal Letters.

"É um objeto impressionante dado o quão ativo é quando ainda está tão longe do Sol", reforça o autor que liderou o estudo, Man-To Hui, da Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau. A equipa que liderou recorreu ao telescópio Hubble para tirar cinco fotos do planeta em janeiro de 2022.

Estima-se que este cometa esteja a viajar em direção ao Sol há um milhão de anos, proveniente da chamada Nuvem Oort, de onde se acredita que partam milhões de cometas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de