Quinze mil crianças separadas dos pais após conflito no Sudão do Sul

Quinze mil crianças continuam separadas dos pais ou com paradeiro desconhecido, cinco anos após o início do conflito no Sudão do Sul, divulgou a Unicef.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) indica que mais de 4 milhões de pessoas - a maioria crianças - "foram forçadas a abandonar as suas casas devido aos confrontos" no país.

Desde a eclosão do conflito, este órgão das Nações Unidas e parceiros no terreno reuniram cerca de 6 mil crianças com os seus pais ou cuidadores.

"Cada reunificação é o culminar de meses - ou de anos, como acontece com frequência - de trabalho de localização de familiares num país com a dimensão de França, mas que não tem qualquer infraestrutura básica," afirmou Leila Pakkala, diretora regional da Unicef para a África Oriental e Austral.

Leila Pakkala referiu que o "sofrimento pelo qual estas crianças passaram no conflito é algo inimaginável, mas a alegria de voltarem a ver as suas famílias reunidas outra vez faz renascer a esperança".

Segundo o comunicado da Unicef, as crianças separadas ou não acompanhadas "são mais suscetíveis à violência, abuso e exploração", o que torna o reencontro com os pais "uma prioridade urgente".

Contudo, após o reencontro, muitas famílias "continuam a precisar de apoio", explica a Unicef.

"Metade das crianças que regressaram para junto das suas famílias - cerca de 3 mil - continuam a receber assistência, o que eleva o número total de crianças com necessidade de apoio nos 18 mil casos", destaca o comunicado.

A Unicef acredita que o acordo de paz assinado recentemente entre as partes em conflitos no Sudão do Sul pode representar uma oportunidade de intensificar este e outros trabalhos de assistência humanitária.

"Houve desenvolvimentos positivos no terreno desde que o acordo de paz foi assinado," afirmou Leila Pakkala, acrescentando que "a esperança" daquela organização é que "áreas anteriormente inacessíveis comecem a abrir" para que possam "levar assistência vital a mais pessoas em 2019."

Desde o início do conflito, a Unicef e parceiros proporcionaram acesso à educação a 1,5 milhões de crianças; apoiaram a libertação de quase 3 mil crianças de forças e grupos armados; proporcionaram acesso a água potável a 800 mil pessoas e chegaram a mais de 1,4 milhões de crianças com atividades de apoio psicossocial.

A Unicef e os parceiros procederam ainda ao rastreio de subnutrição de 1,5 milhões de crianças; apoiaram a notificação de nascimento de 550 mil recém-nascidos; trataram 630 mil crianças com subnutrição aguda grave e vacinaram quase seis milhões de crianças.

De acordo com os dados da Unicef, um total estimado de 1,2 milhões de crianças estão gravemente subnutridas - o mais elevado número desde o início do conflito.

O comunicado da Unicef refere que cerca de 2,2 milhões de crianças não têm acesso à educação, o que coloca o Sudão do Sul num dos países do mundo com a taxa mais elevada de crianças fora da escola.

Para financiar o seu trabalho de assistência humanitária para as crianças no Sudão do Sul em 2019, a UNICEF está a apelar a 157 milhões de euros.

Apenas dois anos e meio depois da independência, o Sudão do Sul entrou em guerra civil em dezembro de 2013. O conflito, marcado por atrocidades étnicas, provocou dezenas de milhares de mortos e milhões de pessoas fugiram das suas casas.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados