A Venezuela matou-lhes os sonhos. Talvez um dia regressem, mas só quando o regime mudar

Joalis, Horácio e os irmãos Luís e Franklin fugiram do pesadelo em que se tornaram as suas vidas na Venezuela, cruzaram o Atlântico e encontraram trabalho em Portugal.*

Chegaram a Portugal em fuga do país que lhes roubou amigos, estabilidade e paz. Da Venezuela trazem um retrato de medo, a angústia de ver supermercados vazios, farmácias sem medicamentos, um salário mensal que já só chega para comprar um frango.

Relatam o assassinato de vizinhos, o sequestro de amigos, a impossibilidade de as crianças brincarem nas ruas, o frigorífico permanentemente vazio.

Não há nada que se possa comprar e o dinheiro também não chega para nada. O salário de um trabalhador petrolífero (sete vezes o salário mínimo em Portugal) mal chega agora para comprar uma refeição - resultado de uma inflação galopante.

São lusodescendentes que vieram à procura do que a Venezuela há muito já não lhes consegue oferecer. Em Portugal encontraram casa, trabalho, paz.

Talvez um dia regressem à Venezuela. Mas só quando o regime mudar.

* O documentário "Até breve, Venezuela" foi originalmente publicado a 30 de dezembro de 2018

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de