Jornalista guineense fala de agitação nas ruas de Bissau

O jornalista Namini Marna explicou que há pessoas agrupadas à porta da residência do primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior, que foi incendiada após uma ação militar na quinta-feira.

Um jornalista guineense deu conta do medo que se vive em Bissau no dia seguinte ao de uma intervenção militar no país ainda de contornos indefinidos.

Em declarações à TSF, Namini Marna explicou que dezenas de pessoas se juntaram perto da casa do primeiro-ministro guineense que foi incendiada na sequência desta intervenção.

«Há centenas de curiosos jovens agrupados na porta da residência do primeiro-ministro a perguntar o que terá acontecido» com Carlos Gomes Júnior.

Presente no local, este jornalista contou também que há «algumas pessoas que estão agitadas e que estão a lançar insultos aos militares que se encontram na residência do primeiro-ministro».

Apeesar desta intervenção que deixou Carlos Gomes Júnior em local incerto, o comerciante português Constantino Ramos explicou que é impossível ir-se para perto da residência de Carlos Gomes Júnior.

Este proprietário de um restaurante em Bissau, que diz que há pessoas ainda com algum medo, explicou que a rua que dá acesso a esta casa está fechada, o mesmo acontecendo com a rua dá acesso à embaixada portuguesa.

«Estão militares à porta das embaixadas para que as pessoas não entrem nem saiam. A televisão está parada e há militares à porta. Nas ruas está tudo calmo e já circulam alguns taxis, mas poucos», acrescentou.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de