"É preciso utopiar outra vez"

No dia de arranque da visita de Estado do Presidente da República a São Tomé e Príncipe, o chef João Carlos Silva garante que vai mostrar a Marcelo um país pronto a ser reinventado.

A CACAU - Casa das Artes, Criação, Ambiente, Utopias será um dos pontos de passagem do presidente da República português. O edifício, que já foi garagem de comboios da linha dos caminhos-de-ferro de São Tomé, é agora um centro que acolhe um projeto de dinamização cultural... e utopias. "É preciso utopiar outra vez, constantemente", lembra João Carlos Silva.

O artista plástico, embaixador gastronómico e dinamizador cultural de São Tomé e Príncipe, explica que a CACAU foi desafiada a preparar esta receção pelo primeiro-ministro são-tomense, Patrice Trovoada.

A resposta não se fez esperar e João Carlos Silva garante que está tudo pronto para receber Marcelo Rebelo de Sousa. Inclusivamente o menu que será servido ao Presidente na quarta-feira, como não poderia escapar ao chef, celebrizado pelo programa televisivo "Na Roça com os Tachos".

"Um almoço de degustação", revela, "fazemos um spa de língua de início, com chocolate Claudio Corallo, um poucochinho de gengibre, cacau fresco, vinho tinto português bom, e depois sete ou oito entradas variadas, depois dois/três pratos principais e quatro sobremesas".

Menu extenso para apreciar enquanto em palco há música e dança tradicionais são-tomenses, pois claro. E depois, o momento alto: a inauguração do Muro dos Afetos.

Um programa de peso para receber o presidente português. "Tornou-se nosso presidente também", garante.

João Carlos Silva acredita que há muito para fazer na relação com Portugal, "para reinventar São Tomé e Príncipe". A aposta na educação e na formação dos jovens (em São Tomé 75% da população tem menos de 20 anos) é essencial, defende, e Portugal pode fazer parte desta aposta no futuro.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados