Harvey Weinstein entrega-se à polícia por crimes sexuais

O produtor de cinema norte-americano é acusado no âmbito do escândalo de assédio sexual em Hollywood, denunciado por dezenas de atrizes, que deu origem ao movimento "Me Too".

Harvey Weinstein entregou-se às autoridades, esta sexta-feira, na esquadra da polícia de Nova Iorque, na sequência das acusações de crimes sexuais de que foi alvo ao longo de vários meses.

O norte-americano de 66 anos foi presente a um juiz e, de seguida, saiu em liberdade com pulseira eletrónica, depois de pagar uma caução de um milhão de dólares, ficando proibido de sair dos estados de Nova Iorque e Connecticut.

Harvey Weinstein, um dos fundadores das produtoras de cinema Miramax e The Weinstein Company, foi alvo de denúncias por mais de 70 mulheres, que o acusam de crimes de assédio e abusos sexuais e até mesmo de violação, ao longo de várias décadas.

As denúncias deram origem a um escândalo em Hollywood, com o surgimento de muitos outros nomes do mundo do cinema, como o ator Kevin Spacey e o comediante Louis C.K., suspeitos de assédio e agressões sexuais. A crescente vaga de denúncias levou à criação do movimento "Me Too", que foi vencedor do prémio de Personalidade do Ano 2017 da revista Time.

Depois dos primeiras relatos de crimes sexuais, em outubro passado, o produtor foi banido de várias associações, incluindo a Academia de Cinema dos Estados Unidos, que atribui os Óscares.

Weinstein respondeu em tribunal por ter violado uma mulher e ter forçado uma outra a realizar sexo oral, de acordo com o jornal The New York Times, crimes que, até ao momento, foram negados pelo produtor de cinema.

Notícia atualizada às 15h20, com medidas aplicadas a Harvey Weinstein

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados