Bolsonaro "chega a ser grosseiro", diz deputada mais votada do Brasil, eleita pelo partido... dele

Janaina Paschoal somou tantos votos que bateu um recorde no Brasil. Eleita pelo PSL, de Bolsonaro, na TSF ataca violentamente a Esquerda brasileira, mas também diz que Bolsonaro tem de mudar o discurso.

Com o respaldo de mais de 2 milhões de votos em São Paulo, Janaina Paschoal garante que não vai dizer que sim a tudo o que Jair Bolsonaro decidir, caso seja eleito Presidente.

"[Há] pessoal que [tudo] o que Bolsonaro fala aplaude, e eu não tenho esse comportamento com ninguém. Eu acredito que muitos dos males que o Brasil enfrenta têm a ver com o endeusamento de pessoas. É preciso ter um pensamento crítico", afirma.

Eleita pelo Partido Social Liberal (PSL), que apoia Bolsonaro, Janaina garante, em entrevista à TSF, que essa liberdade de dizer o que pensa é um dos motivos que a levam a rejeitar um cargo de ministra, caso seja convidada. Ela quer cumprir o mandato que as pessoas de São Paulo lhe confiaram, como deputada estadual.

Quanto a Jair Bolsonaro, admite que terá de moderar o discurso. "O problema é que ele é uma pessoa que por vezes tem dificuldade para passar as ideias, eu percebo isso. Ele pensa as coisas, mas já vai para o finalmente... E eu penso que ele vai ter de aprender a abrir um pouco mais o pensamento dele, talvez utilizar palavras menos duras."

E sobre a ameaça proferida contra "os vermelhos", os adversários "petistas" - ou fogem ou vão todos presos quando for eleito - Janaina Paschoal considera que "aquilo ali foi retórica, uma fala mais de palanque, como o Lula a vida inteira fez, a questão é que os media brasileiros são muito condescendentes com qualquer exagero que vem da Esquerda, qualquer frase que vem com efeito da Direita ela é bombástica."

Sobre a preocupação que tem sido expressa em vários países, em vários órgãos de comunicação social fora do Brasil, a eleita deputada estadual tem uma opinião contundente: "A Esquerda faz muito barulho. A Esquerda, como eles não trabalham, eles têm muito tempo para ficar passeando e contando mentira no exterior. O pessoal da Direita precisa trabalhar. Não estou falando de Bolsa Família não, estou falando de outras bolsas. Infelizmente a Imprensa internacional só ouve quem vai para lá, com dinheiro público, para contar mentira."

A jurista defende que o regresso da Esquerda ao poder é que não pode acontecer. "Se essas pessoas voltarem para o poder, depois dos biliões que roubaram, aí sim o brasileiro está mostrando que não aprendeu nada. "Ah, mas a gente não sabe o que vai ser o governo do Bolsonaro", bom, mas a gente já sabe o que é o governo PT. Agora, nós temos o poder legislativo, o poder judiciário - hoje mais depurado em função da Lava Jato e do impeachment - se houver quaisquer exageros, quaisquer excessos, essas instituições todas vão-se movimentar. Ninguém vai ser conivente com eventuais excessos, o que a gente não pode é fechar os olhos para os crimes cometidos e colocar esse pessoal de volta lá."

Por isso, Janaina apoia Bolsonaro. Alguém que, afirma, é uma pessoa muito diferente da imagem pública que tem, que, classifica a própria Janaina Paschoal, "chega a ser grosseira". "Ele é extremamente cortês, gentil, e ouve, muda de opinião". Foi essa a ideia com que Janaina ficou dos encontros pessoais e troca de mensagens que tem tido com Jair Bolsonaro. "Tive uma perceção dele, como ser humano, muito positiva. Isso me faz ficar otimista com um futuro governo dele."

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de