Brasil

Barragens como a de Brumadinho passam a ser inspecionadas diariamente

Empresas devem informar quais as providências adotadas quanto à segurança das estruturas após o colapso da barragem de Brumadinho.

A Agência Nacional de Mineração do Brasil (ANM) informou esta segunda-feira que as empresas mineiras terão de realizar inspeções diárias em barragens de resíduos idênticas à de Brumadinho, cuja rutura provocou pelo menos 165 mortos.

PUB

Na sua página na internet, a ANM adiantou que as empresas que não cumpram as inspeções diárias poderão ser multadas e até terem a barragem interditada.

A barragem que colapsou em Brumadinho, no estado brasileiro de Minas Gerais, foi feita através do método de alteamento a montante, no qual se constroem degraus com os próprios resíduos, sendo o método mais simples e também o menos seguro.

Essa foi também a técnica de construção usada na barragem da empresa Samarco, que rebentou em 2015, na cidade de Mariana, igualmente no estado de Minas Gerais, onde, aliás, se encontra a maior concentração deste tipo de estruturas.

A agência diz ainda que as empresas terão de realizar na barragem, nos seus reservatórios e em áreas nas quais podem ser observados os efeitos do impacto ambiental da estrutura uma inspeção com métodos indiretos, tais como "geofísica, microssísmica ou outros métodos que possam apoiar as análises do comportamento no interior da barragem".

A agência publicou ainda outras determinações, a aplicar em todas as tipologias de barragem, especificando que as empresas deverão informar quais foram as providências adotadas, após o colapso da barragem de Brumadinho, quanto à segurança das estruturas.

O número de mortos na sequência da rutura desta barragem, na cidade brasileira de Brumadinho, atingiu os 165, havendo ainda 155 pessoas desaparecidas, segundo um novo balanço feito esta segunda-feira pela Defesa Civil de Minas Gerais.

O desastre em Brumadinho ocorreu no dia 25 de janeiro, quando uma das barragens nas quais a empresa mineira Vale armazenava resíduos rebentou, provocando uma avalanche de lama que soterrou as instalações da própria empresa e centenas de propriedades rurais.

  COMENTÁRIOS