Equipa internacional que inclui a NASA vai avaliar Boeing 737 Max

Autoridades prometem análise minuciosa ao novo sistema de controlo automático de voo que se suspeita que tenha estado na origem dos acidentes.

Uma equipa técnica internacional conjunta, que inclui mesmo especialistas da NASA, vai começar a fazer uma revisão às mudanças feitas ao Boeing 737 Max depois dos acidentes mortais na Indonésia e na Etiópia. O anúncio foi feito pela Administração Federal de Aviação (FAA) dos Estados Unidos da América.

Ao todo serão nove autoridades de aviação civil a avaliar o que mudou no modelo que saiu há pouco mais de um ano e que já esteve envolvido na morte de mais de trezentas pessoas.

Em causa uma análise minuciosa da certificação do sistema de controlo automático de voo que pode ter estado na origem dos acidentes.

A primeira reunião do grupo está marcada para daqui a pouco mais de uma semana e os trabalhos vão durar perto de 3 meses.

Além das autoridades norte-americanas e da NASA, a equipa internacional inclui especialistas das autoridades de aviação da Austrália, Brasil, Canadá, China, União Europeia, Japão, Indonésia, Singapura e Emirados Árabes Unidos.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de