Golfo Pérsico

Exército diz controlar quase toda a capital de Bahrein

O exército do Bahrein anunciou que controla praticamente toda a capital e que as manifestações estão proibidas, horas depois de a polícia ter dispersado uma manifestação com gás lacrimogéneo.

Num comunicado lido na televisão estatal, o exército afirmou que «locais chave» de Manama estão «sob controlo».

Fontes médicas citadas por agências noticiosas internacionais indicaram que pelo menos quatro pessoas morreram na repressão da manifestação de hoje.

Um dirigente da oposição xiita do Bahrein, o movimento Al-Wefaq, informou que os 18 deputados do partido se demitiram em protesto por estas mortes.

O comunicado do exército insta os cidadãos a evitarem «as concentrações em zonas vitais do centro da capital».

Cerca de 2000 pessoas estavam acampadas há dois dias numa praça do centro de Manama. A polícia, apoiada por unidades de blindados do exército, cercou o local e, antes do nascer do dia, expulsou os manifestantes.

Segundo um porta-voz do Ministério do Interior, 50 polícias ficaram feridos nos incidentes. Desconhece-se o número de feridos entre os manifestantes, que diferentes fontes estimam em 200 ou 300.

Entretanto, a televisão norte-americana ABC noticiou que um seu jornalista que cobria o protesto foi espancado durante a operação militar para desalojar os manifestantes.

O jornalista, Miguel Marquez, disse ter sido espancado por «arruaceiros» mas que só sofreu ferimentos ligeiros.