jornais

Fotógrafo português gravemente ferido por mina no Afeganistão

O fotógrafo português João Silva, do "The New York Times", ficou gravemente ferido este sábado ao pisar uma mina durante uma patrulha com tropas norte-americanas no Sul do Afeganistão.

João Silva, que nasceu em Lisboa há 44 anos, ficou ferido nas pernas depois de ter pisado uma mina, quando acompanhava soldados norte americanos numa patrulha na província de Kandahar.

«João é o repórter de guerra por excelência, destemido mas cuidadoso, com uma visão surpreendente», comentou Bill Keller, director executivo do jornal norte-americano "The New York Times".

João Silva tem fotografado guerras no Afeganistão, Iraque, África Austral, Balcãs e Médio Oriente e ganhou vários prémios, entre os quais o The Worl Press Photo.
 
João Silva é um dos quatro co-protagonistas do livro e filme "Bang-Bang Club", que narra as vidas dramáticas de quatro fotojornalistas sul-africanos, que cobriram o período de mais violência na África do Sul, na transição do 'apartheid' para a democracia.

Começou a fotografar aos 23 anos, e foi na África do Sul que se iniciou no fotojornalismo, no jornal regional "Alberton Record", em 1989.
 
Notabilizou-se no "Star" de Joanesburgo para onde se mudou em 1991, nas agências internacionais Reuters e Associated Press, ao serviço das quais viajou por todo o mundo para captar imagens de guerra. Afeganistão, Iraque, Angola, Sudão, foram destinos do profissional enquanto captava os horrores da violência política da sua pátria de adopção. 
 
Desde 1996, está ligado contratualmente ao "New York Times", ao serviço do qual cobre regularmente a guerra no Iraque, o Afeganistão e países africanos.

Veja aqui a entrevista de Raquel de Melo Pereira a João Silva feita em 2008.