Direitos Humanos

"Há zonas onde o discurso de João Lourenço não chega." Rafael Marques espera reunião "proveitosa"

Depois de ter sido impedido de entrar esta terça-feira no encontro com o presidente angolano, o jornalista foi chamado para uma reunião privada com João Lourenço.

O ativista angolano Rafael Marques acredita que "será interessante e de grande proveito" o encontro desta quarta-feira com o Presidente angolano.

O jornalista, que foi um dos principais críticos da presidência do antigo chefe de estado José Eduardo dos Santos, escreve habitualmente sobre casos de corrupção e esse será um dos temas que será abordado na reunião com João Lourenço.

"O Presidente tem boa vontade (para acabar com a corrupção) mas isso não chega. É necessário que esteja rodeado de pessoas que partilhem a mesma boa vontade", disse à TSF Rafael Marques.

O ativista considera que João Lourenço "tem de ouvir as vozes críticas" porque "no seu partido começa a ter maiores dificuldades de encontrar indivíduos que falem abertamente. "Não é cultura do MPLA", lembra.

Rafael Marques afirma ainda que há zonas onde a mensagem do Presidente não chega. "Na Lunda Norte as manifestações são reprimidas de forma violenta. Há zonas onde o discurso de João Lourenço não chega para alterar o comportamento das administrações locais de muitos dos seus governantes", disse.

Num comentário no MakaAngola, jornal "online" liderado pelo ativista, Rafael Marques indicou ter sido "convidado" para uma "audiência privada" com o Presidente angolano.

"Através do seu diretor de gabinete, Edeltrudes Costa, o Presidente [João Lourenço] lamenta o incidente desta manhã, durante o qual fui impedido de entrar no palácio como integrante da delegação da sociedade civil. Estou a par das investigações em curso para o apuramento do sucedido e, como fiz notar, acredito na boa vontade do Presidente. Desse modo, será uma honra encontrar-me com ele amanhã [quarta-feira]", lê-se numa nota no MakaAngola.

"Vários cidadãos tiveram o cuidado de me enviar notas sobre as principais preocupações do nosso povo, da nossa sociedade, para que eu as abordasse com o Presidente João Lourenço. Farei questão de lhe pedir um minuto adicional da sua atenção para expor algumas dessas preocupações de interesse nacional. Amanhã vou ao Palácio", conclui.

Rafael Marques era um dos líderes e representantes da sociedade civil angolana estava previsto participar num encontro convocado por João Lourenço, com o objetivo de se analisarem "questões da atualidade".

  COMENTÁRIOS