Jovens portugueses participam nas comemorações da libertação de um campo de concentração

As cerimónias assinalam os 74 anos da libertação daquele que era um campo de trabalhos forçados do III Reich e onde estiveram detidos portugueses.

Entre as cerca de 45 mil pessoas que assistem anualmente às comemorações da libertação do campo de Concentração de Mauthausen vai estar uma comitiva portuguesa. Nela seguem 49 alunos da Escola Secundária de Loulé. Os estudantes fazem parte de um projeto educativo em que abordaram o tema "Trabalhadores Forçados Portugueses do III Reich".

Um trabalho surgido depois de uma investigação internacional em que participou o historiador Fernando Rosas e onde se provou que houve portugueses vítimas do nazismo que estiveram em campos de concentração. Alguns eram originários de Loulé. Mauthausen foi, sobretudo, um campo de trabalhos forçados, o último a ser libertado.

A professora de História irá acompanhar os alunos nesta visita ao campo de concentração de Mauthausen, na Áustria, onde alguns portugueses estiveram detidos e não sobreviveram. Os alunos têm também eles feito investigação sobre esta matéria e deslocarem-se até ao próprio campo de concentração será algo que não vão esquecer.

"Vão fazer uma reportagem fotográfica onde irão registar as suas impressões", explica a professora." Sobretudo sentem-se importantes por fazerem parte da Comitiva portuguesa e eu espero que percebam que [este acontecimento] não foi apenas uma coisa que passou mas que também hoje há atentados aos direitos humanos", conclui a docente.

Continuar a ler

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de