ataques bruxelas

Marcelo Rebelo de Sousa condena atentado "cego e cobarde"

O presidente da República já enviou uma carta ao rei Filipe da Bélgica, em que transmite "o pesar, o repúdio e a solidariedade do povo português", depois dos ataques em Bruxelas.

O chefe de Estado português considera que os ataques na capital belga se trataram de um atentado "cego e cobarde que atingiu o coração da Europa" e defende que os cidadãos europeus devem estar unidos na "luta pela democracia, pela liberdade, pelos direitos humanos, pela dignidade da pessoa", sublinhando que é em situações de crise aguda que é preciso que esses valores sejam uma prioridade.

Em Belém, no final de uma manhã em que recebeu, para troca de cumprimentos, o presidente e os vice-presidentes da Assembleia da República, bem como os líderes dos grupos Parlamentares, Marcelo Rebelo de Sousa garantiu estar estar atento à situação na Bélgica e, nesse sentido, também ao caso de uma portuguesa ferida durante os ataques.

"Eu já tive a oportunidade de transmitir a sua majestade o Rei dos Belgas o pesar, o repúdio e a solidariedade do povo português, e estou a acompanhar atentamente a situação, incluindo a da nossa compatriota ferida durante os ataques", frisou Marcelo Rebelo de Sousa.

O presidente da República apelou ainda a uma "solidariedade" e "participação permanente dos povos" na construção da "paz, do desenvolvimento e da justiça", como caminho para combater fenómenos como o terrorismo.

Antes do chefe de Estado, também o presidente da Assembleia da República comentou os ataques de Bruxelas. Ferro Rodrigues alerta para os perigos dos populismos que se seguem a este tipo de ataques, garantindo que o parlamento português tudo fará para defender os valores da "liberdade e da democracia".

"Afrontar estes problemas com o máximo de coesão nacional, com o máximo de coesão social e com o máximo de determinação", sublinhou Ferro Rodrigues depois do encontro com o presidente da República.

Marcelo e Ferro prometem "solidariedade institucional"

Durante a cerimónia de troca de cumprimentos, e perante Ferro Rodrigues, o presidente da República prometeu "indefetível solidariedade"para com a Assembleia da República. Já o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, deixou garantias de "uma grande cooperação institucional e também uma grande cordialidade" entre os dois órgãos de soberania.

Analisando os atentados desta terça-feira, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que este tipo de acontecimentos aumenta a necessidade de que exista uma "solidariedade institucional" entre órgãos de soberania nacionais.