estados unidos

Milhares de manifestantes contra o racismo em Boston

A concentração em nome da liberdade de expressão previa reunir apenas centenas de pessoas, segundo a página do Facebook dos organizadores.

Milhares de pessoas manifestaram-se este sábado contra o racismo em Boston, num clima de forte tensão nos Estados Unidos, uma semana após a violência em Charlottesville.

Várias associações convocaram esta grande manifestação, depois de um grupo ter anunciado hoje uma concentração na cidade para defender a "liberdade de expressão", evento ao qual prometiam juntar-se conservadores próximos da extrema-direita.

Ao início da tarde, milhares de manifestantes contra o racismo e contra o fascismo deslocavam-se em direção a Boston Common, uma das principais praças da cidade do nordeste dos Estados Unidos, de acordo com a AFP.

A concentração em nome da liberdade de expressão previa reunir apenas centenas de pessoas, segundo a página do Facebook dos organizadores.

A polícia e as autoridades municipais multiplicaram os apelos à calma, depois da violência das manifestações em Charlottesville, no fim de semana passado, que terminaram com a morte de uma mulher de 32 anos, atropelada por um neonazi, e 19 feridos.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, suscitou indignação, provocando mesmo críticas de destacados políticos republicanos, ao afirmar que em Charlottesville houve violência "dos dois lados", após os confrontos entre manifestantes de extrema-direita e outros manifestantes que denunciavam o racismo.

"Não vamos tolerar qualquer tipo de violência", afirmou o presidente da câmara de Boston, Marty Walsh, numa mensagem publicada na rede social Twitter.

A polícia tinha um forte dispositivo ao longo do desfile e cerca de 500 polícias foram destacados para separar os manifestantes dos dois lados, se necessário, de acordo com os 'media' locais.

  COMENTÁRIOS