Entrevista TSF

"Militares portugueses são dos melhores, mais bem treinados e com atitude mental certa"

Os quase 200 militares portugueses merecem o elogio do representante especial de António Guterres na complexa República Centro-Africana, em entrevista à TSF.

Líder da Minusca, a missão da ONU multidimensional e de estabilização da paz num cenário de extrema fragilidade e violência, Parfait Onanga-Anyanga, do Gabão, veio a Lisboa participar na 1.ª Conferência Internacional do Observare, da Universidade Autónoma de Lisboa, dedicada à resolução de conflitos e estudos da paz.

Como avalia o papel dos militares portugueses na República Centro-Africana?

Posso simplesmente confirmar que têm desempenhado um papel crucial, são um dos melhores contingentes senão o melhor, o mais bem treinado e equipado e com a atitude mental certa, num ambiente em que as forças têm de ter uma postura muito forte e, neste aspeto, a QRF, Força de Reação Rápida de Portugal, tem desempenhado muito bem.

Pensa que a situação tem evoluído de forma complexa ou as coisas estão a acalmar?

Repare, as coisas ainda estão difíceis. Estamos numa situação em que nunca podemos tomar nada por garantido, tudo é feito de pequenos passos, mas a violência tem sido cíclica, vai e vem, mas esperamos sinceramente vir a criar um ambiente que conduza ao diálogo que a missão de manutenção da paz possa apoiar e que as pessoas da República Centro-Africana merecem: estabilidade e paz duradoura.

A violência misturada com a situação política torna as coisas mais difíceis. Os bispos católicos do país, depois de vários católicos terem sido assassinados, apelaram ao boicote à celebração do feriado do dia nacional este sábado. Isto não torna tudo mais difícil para construir a paz?

Não, muito francamente, sinto uma imensa dor pela perda de vidas na República Centro-Africana. É lamentável que até hoje mesmo estejamos a ver pessoas a morrer em picos de violência absolutamente horríveis. Sinto muito pela Igreja Católica, que no processo recentemente também perdeu dois dos seus padres e não é a primeira vez que a igreja é atingida por essa violência. Então, compreendo perfeitamente os sentimentos deles e pelas suas posições. Mas limitar-me-ia a acrescentar uma nota: a situação no país é muito frágil, que diria que os principais atores e forças no país deviam pensar duas vezes antes de fazer apelo a ações que podem ser mal interpretadas, dando a impressão de que estão a saltar para a arena política ou de estarem a competir com as instituições do Estado. Temos de fazer todos os possíveis para que essa violência não ocorra no futuro. No entanto, sabe que... como eu disse em Bangui antes de deixar o país, temos de demonstrar empatia porque o que está a acontecer é absolutamente inaceitável, mas ao mesmo tempo temos de manter a cabeça fria porque temos de lidar com situações extremamente difíceis e devastadoras e temos de evitar que as emoções sejam a única força motora para as nossas ações no país.

Disse aqui na Universidade Autónoma que espera que quando a ONU sair do país a República Centro-Africana vai ser um país totalmente diferente e confia que não vai ser um país traumatizado. Acredita mesmo que isso seja possível, tendo em conta o que aconteceu nos últimos anos, transformar o país e chegar a um ponto em que não haja trauma?

Eu devo dizer que sou um prisioneiro da esperança. Aprendi isto com os mais velhos, como o bispo Desmond Tutu, não acredito que haja situações humanas que não possam ser transformadas pelos seres humanos. De modo que pode demorar mais tempo, pode custar mais suor e sofrimento - mas no fim vamos triunfar. E depois vai haver uma resposta apropriada para assuntos como trauma, porque ninguém pode ignorar que num contexto em que a violência grassa há tanto tempo no país como na República Centro-Africana, haverá certamente muita dor com que lidar no futuro, mas desejavelmente em paz.

Neste dia nacional da República Centro-Africana que mensagem quer transmitir para o país e para a comunidade internacional?

Seria pretensioso da minha parte deixar alguma mensagem. A mensagem que tenho levado a todo o lado aprendia-a com os próprios centro-africanos. Têm demonstrado uma enorme resiliência; alguns diriam que é resignação, mas não penso que seja. Penso que uma e outra vez a população da República Centro-Africana tem demonstrado uma tremenda capacidade de se libertar dos problemas e seguir em frente com as suas vidas. Esperamos simplesmente ser capazes de os apoiar, de uma maneira efetiva de forma que a esperança que eles merecem em que o processo de paz em que estão envolvidos possa ser uma realidade no seu país.

Está a ter o apoio de que precisa para o seu trabalho por parte de António Guterres?

Estou certo de que não está à espera de nenhuma resposta negativa. Claro que sim.

Mas eu tenho de perguntar...

Claro que tenho apoio. Sinto-me um privilegiado...

Os recursos nunca são suficientes em qualquer missão internacional...

Pois não, por isso é que dizemos que é preciso trabalhar na prevenção, que foi o tópico da conferência aqui e que o secretário-geral assumiu como preocupação chave, o top das prioridades. Concordo completamente. Em termos de apoio, não me posso sentir mais do que apoiado por um chefe que encontra tempo, no meio de muitas outras prioridades, para nos visitar na República Centro-Africana e passa quatro dias inteiros connosco na missão da ONU lá. Tem sido um apoio tremendo e numa base regular estamos em contacto com o secretário-geral. Não foi há muito tempo, a 27 de setembro, ele organizou um encontro sobre a República Centro-Africana à margem da Assembleia-Geral da ONU, juntando chefes de Estado, ministros, líderes de agências, líderes de organizações internacionais, para manter o assunto na agenda e mostrar à população da República Centro-Africana e a nós que estamos no terreno que se preocupa e temos o seu apoio.

O conflito na República Centro-Africana explicado

Um país mergulhado no caos e na violência há cinco anos após ter sido derrubado o ex-Presidente François Bozizé por grupos designados por Séléka (coligação), motivando a oposição de outros grupos.

Um país com o tamanho da França e metade da população portuguesa (4,6 milhões), que já provocou 700 mil deslocados e mais de meio milhão de refugiados deixando dois milhões e meio a necessitarem de ajuda humanitária.

Em 2017, Portugal mandou tropas para um país africano em convulsão, a República Centro-Africana. Já em 2018, um português, o brigadeiro-general Hermínio Teodoro Maio passou a comandar a EUTM (Missão de Treino da União Europeia) no país.

  COMENTÁRIOS