Navio Aquarius

Ministro italiano desafia França a dar provas de "generosidade" com migrantes

Matteo Salvini disse que França se comprometeu a acolher "9.816 migrantes" chegados nos últimos anos a Itália, mas não acolheu mais de 640.

O ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, desafiou o presidente francês, Emmanuele Macron, a provar a "generosidade" no acolhimento aos migrantes, considerando que França não respeitou os compromissos nesta matéria.

Salvini convidou mesmo o chefe de Estado francês a "passar da palavra aos atos" e a dar "um sinal de generosidade", acolhendo estes imigrantes.

"A nossa história de solidariedade, de humanidade e de voluntariado, não merece esta abordagem, nestes termos, pelos representantes do Governo francês, cujas desculpas oficiais espero o mais rápido possível", declarou Salvini.

Não precisou se fazia alusão às declarações do presidente francês ou do porta-voz do partido A República em Marcha, Gabriel Attal, que afirmou na terça-feira que a posição de Itália face ao Aquarius é "de vómito".

Salvini indicou igualmente que França reenviou para Itália 10.249 migrantes, que passaram a fronteira, entre o início do ano e o final de maio.

O ministro italiano do Interior e líder da Liga (extrema direita), próxima do partido nacionalista de Marine Le Pen, em França, falava aos senadores pouco após a convocação perante o ministro italiano dos Negócios Estrangeiros do embaixador de França em Roma, Christian Masset, na sequência da polémica entre os dois países por causa do navio Aquarius, que transporta centenas de migrantes, entre os quais se encontram mulheres grávidas e crianças.

  COMENTÁRIOS