Espanha

Na Andaluzia também se fala de independência. Proposta inclui Alentejo e Algarve

A Catalunha não está sozinha nas ambições independentista. A TSF ouviu uma associação da Andaluzia que quer avançar com o conceito de independência da região. Alentejo e Algarve estão incluídos.

A Assembleia Nacional da Andaluzia está a preparar uma proposta, para ser apresentada no próximo dia 4 de dezembro, para declarem "teoricamente" da independência da Andaluzia. Mas, o mapa que traçaram para a República de Estados-províncias inclui o Alentejo e o Algarve e o Rife Marroquino.

Para já, garantem que não passa de "uma experiência", para demonstrar como funcionaria uma república no sul da península, a partir de um conceito que dizem ser "filosófico", mas com um objetivo traçado muito claro.

"O que queremos, os andaluzes, é proclamar a nossa independência, para partir daí fortalecer e conseguir uma República co-federal de povos ibéricos", disse à TSF o presidente da Assembleia Nacional Andaluza, Pedro Inácio Altamirano.

O escritor, pintor e dramaturgo espanhol, com ligações estreitas ao governo catalão adiantou que "dia 4 [de Dezembro] vamos criar uma espécie de governo da República - virtual - para que os andaluzes possam observar como se governa a Andaluzia a partir da Junta de Andaluzia e de Madrid e como se poderia governar a Andaluzia a partir de um governo de um República".

"Os andaluzes vão poder observar como se ditam as leis desde um lugar para outro e - obviamente que com um governo da República que é virtual e sem qualquer poder de decisão -, mas vamos poder mostrar aos andaluzes de que forma governaríamos a Andaluzia a partir de um governo federal - a partir de uma verdadeira autonomia, uma verdadeira independência da Andaluzia", acrescentou, frisando porém que a iniciativa é "simbólica".

"O dia 4 de dezembro é um dia muito especial para nós. Porque, há precisamente 40 anos, mais de 2 milhões e meio de andaluzes saímos à rua porque o Estado espanhol queria marginalizar a Andaluzia, em relação a outros territórios que, sendo menos nação do que Andaluzia, iam ser premiadas com um tratamento especial, como é o caso da Catalunha ou do País Baco. E, nós, os andaluzes, dissemos que não, que a Andaluzia não era uma região mais e que a Andaluzia não ia ficar fora desse apoio".

Alentejo e Algarve incluídos na proposta

O objetivo é levar a cabo uma experiência, para demonstrar como funcionaria uma república naquela região do sul da península. Mas, "perseguindo o sonho de Boas Infante" e os seus "pensamentos filosóficos", a proposta que vai ser apresentada em dezembro inclui o Alentejo e o Algarve no mapa de um futuro território da Países Andaluzes.

"Evidentemente, estamos muito unidos ao Algarve e ao Alentejo", assume Altamirano, embora diga que para já, a anexação de território português não passe de um "conceito teórico".

"Evidentemente estamos a falar de conceitos filosóficos de cultura e de uma relação de irmandade", exclame, assumindo porém que esse "conceito" precisa de ser explorado e "o ideal seria que num futuro, numa Europa dos povos, esta identidade que nos une seja reconhecida".

"Quem sabe se o que se passa na Catalunha não acelera a reforma constitucional e essa reforma política, necessária com urgência no Estado espanhol e possamos caminhar até essa outra unidade da Península Ibérica que é a república co-federal de povos ibéricos que é o que queremos todos os povos democratas ibéricos", disse.