Fogo na catedral "parcialmente extinto". Causa do incêndio ainda é desconhecida

Os bombeiros anunciaram já que a estrutura está "preservada na sua globalidade", com o combate às chamas a envolver centenas de efetivos.

O incêndio que devastou a catedral de Notre-Dame, em Paris, na segunda-feira, está "parcialmente extinto", anunciou esta terça-feira a brigada de bombeiros da capital francesa, após várias horas de combate às chamas.

"O fogo está completamente sob controlo. Está parcialmente extinto, há ainda incêndios residuais para extinguir", explicou o tenente-coronel Gabriel Plus, porta-voz do Corpo de Bombeiros de Paris.

O incêndio na catedral de Notre-Dame, um dos edifícios icónicos de Paris e da arte gótica, começou na segunda-feira, cerca das 18h50 (17h50 em Lisboa).

Os bombeiros anunciaram já que a estrutura está "preservada na sua globalidade", com o combate às chamas a envolver centenas de efetivos.

A Procuradoria de Paris disse que os investigadores estavam a considerar o incêndio como um acidente.

No local, o Presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou que o pior tinha sido evitado e prometeu que a catedral do século XII será reconstruída.

A tragédia de Notre-Dame gerou mensagens de pesar e de solidariedade de chefes de Estado e de Governo de vários países, incluindo Portugal, bem como do Vaticano e da ONU.

"Majestoso e sublime edifício", como escreveu em 1831 o escritor francês Victor Hugo no seu romance "Notre-Dame de Paris", a catedral foi construída em 1163 e iniciou a função religiosa em 1182.

As causas do incêndio ainda não são conhecidas e as autoridades continuam a investigação, tal como avançou, esta manhã, o secretário de Estado do Interior, Laurent Nunez.

"O fogo está sob controlo, mas não totalmente extinto", disse Nunez, numa conferência de imprensa nos arredores de Notre-Dame.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de