Venezuela

Parlamento Europeu: Tajani defende sanções contra a Venezuela

Antonio Tajani lamenta que até agora o diálogo com o governo de Nicolas Maduro não tenha dado resultados.

O Presidnete do parlamento Europeu, Antonio Tajani, diz-se a favor de uma "solução pacífica", mas lamentou, esta quarta-feira, que até agora a mediação europeia "não tenha dados resultados".

"Por exemplo, os Estados Unidos decidiram impor um pacote de sanções contra magistrados do Supremo Tribunal de Justiça. Deveríamos refletir sobre medidas semelhantes", disse, adiantando que "nesse sentido, decidi enviar uma carta ao presidente Tusk e outra ao presidente Juncker, para aprofundarmos este assunto e vermos que medidas específicas se podem tomar".

"A situação na Venezuela é desesperante. Cada dia morre uma pessoa na rua, de fome ou de falta de medicamentos", lamentou, aprontando a conferência de imprensa, ao lado do presidente da Assembleia Nacional venezuelana para, "desde a União Europeia, lamentar o que se está a passar e para enviar uma mensagem de solidariedade e apoio ao povo venezuelano".

Antonio Tajani exigiu ainda ações concretas da parte do governo de Caracas. "Primeiro, parar qualquer forma de violência. Em segundo, a libertação de presos políticos. Em terceiro, o respeito dos poderes da assembleia nacional. Em quarto, um calendário eleitoral. [E], em quinto, a entrada de ajuda humanitária", defendeu.

"Há que encontrar uma solução pacífica, para esta crise. Estamos a favor de negociações, mas temos de ser realistas. A mediação não alcançou os resultados desejados e o processo está parado. Não vemos qualquer mudança positiva", lamentou.

  COMENTÁRIOS