Decisão do Supremo espanhol obriga à fixação de caudais ecológicos no Tejo

Tribunal espanhol decidiu pela anulação parcial do Plano Hidrológico do Tejo.

O Ministério para a Transição Ecológica acatará a sentença do Supremo Tribunal espanhol que anula parcialmente o Plano Hidrológico do Tejo, posição que poderá contribuir para uma nova política da água, disseram fontes do setor à EFE.

A decisão desta instância superior, que anula parcialmente o Plano Hidrológico do Tejo, obrigará a Confederação Hidrográfica a mudar o volume de águas a transvasar, fixando níveis de caudais ecológicos para os reservatórios.

Fontes daquele Ministério referiram que o Governo chefiado por Pedro Sánchez tem vindo a trabalhar no sentido que as decisões em matéria de água sejam tomadas "com base em caudais ecológicos".

"A definição de temas de importância como a revisão dos planos hidrológicos de terceiro ciclo, atualmente em tramitação, já incluem o caso do Tejo, a dotação de caudais ambientais", adiantaram as mesmas fontes.

O Governo trabalha "no máximo respeito pela legalidade" e em cumprimento da Diretiva da Água, adiantaram as fontes.

Entretanto, o porta-voz do Movimento Ecologistas em Ação, Santiago Martín Barajas, congratulou-se cm a decisão do Supremo Tribunal de anular o Plano Hidrológico do Tejo e pediu ao Governo respeito pela Diretiva da Água e pelas normas que regem aquela matéria.

Este movimento ecologista manifestou-se sempre convencido que os tribunais dariam razão às queixas apresentadas por diferentes associações, porque os caudais estabelecidos eram "ridículos e contrariavam as leis vigentes".

O Plano Hidrológico do Tejo não cumpria as normas espanholas em matéria de águas bem como a diretiva europeia, segundo Martín Barajas, já que não fixava os caudais exigidos ou estes eram "insuficientes"

Ainda que o atual plano tenha sido aprovado pelo anterior governo, de Mariano Rajoy, o movimento ambientalista pediu ao atual executivo que não siga a mesma política.

"A política atual é a mesma de antes, com desprezo absoluto pelos caudais ambientais", criticou Matín Barajas.

O Governo espanhol, por seu lado, assegurou que a sentença contribuirá para uma nova política da água em que trabalha e para a revisão dos planos hidrológicos, que incluem o caso do Tejo.

Continuar a ler