China

Trump admite adiar tarifas punitivas sobre exportações chinesas

O Presidente dos EUA disse, esta terça-feira, que poderia conceder à China um prazo suplementar antes de aplicar novas tarifas alfandegárias punitivas, se as negociações em curso, para acabar com o conflito comercial bilateral, progredirem.

Os Estados Unidos tinham dado à China um prazo até 1 de março para chegarem a acordo, antes de elevar de 10% para 25% as tarifas alfandegárias que aplicam às importações provenientes da China, no montante de 200 mil milhões de dólares (176 mil milhões de euros).

PUB

Uma delegação de altos funcionários norte-americanos vai reunir-se com homólogos chineses para preparar as negociações, que vão decorrer esta quinta e sexta-feira, com a presença dos negociadores de cada parte, Robert Lighthizer e Liu He, na capital chinesa.

Donald Trump adiantou que estava a contar reunir-se com o Presidente chinês, Xi Jinping, "que respeita e ama muito muito, para negociar pontos sobre os quais o grupo (negocial) não consiga chegar a acordo".

As duas partes retomaram o diálogo desde o início do ano, para procurar uma solução durável à guerra comercial desencadeada por Trump, para forçar Pequim a negociar.

Estas discussões incidem sobre um reequilíbrio das trocas comerciais em favor dos EUA, ma também sobre mudanças mais estruturais, como o fim das transferências forçadas de tecnologia ou o desrespeito pela propriedade intelectual.

Os norte-americanos insistem ainda na necessidade de criar um mecanismo que permita verificar a aplicação de um eventual acordo.

  COMENTÁRIOS