Internacional

Trump desiste de sanções e mantém vigência do acordo nuclear com o Irão

Presidente dos Estados Unidos diz que esta é a ultima oportunidade que dá às autoridades de Teerão. Ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano acusou Trump de procurar sabotar o acordo nuclear.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, manteve esta sexta-feira a vigência do acordo nuclear com o Irão, confirmando uma moratória às sanções contra Teerão, indicou a Casa Branca, sublinhando que esta "foi a última vez".

Trump tem vindo a anunciar que vai "rasgar" o acordo de 2015 - assinado entre o Irão, os EUA, a Rússia, a China, o Reino Unido, a França e a Alemanha - que pôs fim às sanções contra Teerão em troca de uma limitação ao programa nuclear iraniano.

A administração norte-americana terá de tomar nova decisão sobre se prescinde ou não das sanções contra Teerão em 60 dias. Até lá, disse um alto responsável dos EUA, Washington pretende "trabalhar com os parceiros europeus" sobre novos termos do acordo, para endurecer as condições do texto de 2015.

Três altos responsáveis citados pela agência Associated Press (AP) indicaram ao longo da tarde de hoje que, apesar de prescindir de aplicar as sanções, Trump também deixou uma ameaça de que vai mesmo sair do acordo se não houver uma renegociação dos termos até à primavera.

Diplomacia iraniana acusa Trump de procurar sabotar acordo nuclear

O ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Mohammad Javad Zarif, acusou Donald Trump de procurar sabotar o acordo nuclear que "não pode ser renegociado".

"A política de Trump e o anúncio feito hoje representam tentativas desesperadas para sabotar um acordo multilateral sólido", declarou o chefe da diplomacia iraniana na rede social Twitter.

As declarações de Mohammad Javad Zarif, citadas pela agência noticiosa AFP, surgem pouco depois de o Presidente dos Estados Unidos ter confirmado a suspensão das sanções contra o Irão, levantadas no quadro do acordo, embora ressalvando que era "a última suspensão" que assinava.

[Notícia atualizada às 22h50]