Última semana de campanha arranca com dois debates. PSOE lidera sondagens

Com os socialistas na liderança da intenção de voto, os quatro principais candidatos às eleições legislativas do domingo enfrentam-se em dois debates para tentar convencer os mais de 40% de indecisos.

Pedro Sánchez (PSOE), Pablo Casado (PP), Pablo Iglesias (Podemos) e Albert Rivera (Ciudadanos) enfrentam-se esta noite no primeiro de dois debates eleitorais antes das eleições legislativas do próximo domingo. Apoiado pelas sondagens, que lhe atribuem a vitória nas eleições, o presidente do Governo e líder do PSOE, Pedro Sánchez queria uma campanha discreta e encurralar os adversários num único debate a cinco. A estratégia dos socialistas passava por incluir o líder do Vox, Santiago Abascal, no debate e obrigar o PP e o Ciudadanos a posicionar-se ao lado da extrema-direita.

O debate estava previsto para uma televisão privada mas, no último momento, a Junta Eleitoral proibiu a participação do Vox por não ter representação parlamentar e a polémica estalou. Sánchez disse então que iria ao debate da televisão pública, que antes tinha rejeitado, e começou um braço de ferro com a oposição. Os líderes de PP, Ciudadanos y Podemos uniram-se num boicot ao presidente e ameaçaram deixá-lo a debater sozinho na televisão pública. Pressionado pela opinião pública e pela oposição, Sánchez acabou por ceder e aceitar dois debates em dois dias seguidos: esta segunda-feira na televisão pública e na terça-feira, na privada.

A polémica fomentou as acusações ao Governo, por parte da oposição, de manipular o canal público de televisão, e as insinuações do líder do Partido Popular, Pablo Casado, de que Sánchez não quer dar a cara e enfrentar-se aos adversários políticos.

"Sánchez só acerta quando retifica e faz o que lhe pedimos que é dar a cara. E por isso teve de ir aos dois debates que propúnhamos e que já tínhamos organizado. Isso sim, criou uma divisão tremenda na Rádio Televisão Espanhola, assim como desprestigia tudo o que toca numa instrumentalização partidária para o seu benefício eleitoral", acusa o líder da oposição.

Os dois debates marcam o início da última semana da campanha eleitoral. Na reta final para as eleições, as sondagens dão a vitória a Sánchez mas não com maioria suficiente para governar. A formação de um governo à esquerda depende do resultado que conseguir o Podemos, essencial para não depender dos nacionalistas catalães, cujo apoio nesta legislatura se revelou instável. À direita, a luta é por conseguir um resultado suficiente para uma coligação a três, que inclua o PP, o Ciudanos e o Vox e permita desalojar Pedro Sánchez da Moncloa.

Com mais de 40% de indecisos, segundo as sondagens, os debates podem ser decisivos na conquista de votos para o próximo domingo.

Continuar a ler